Produtividade tóxica: A busca pelo alto rendimento afeta a saúde mental

Condição vem sendo ainda mais recorrente na modalidade Home Office

1
Banco de Imagens: Unsplash

Seguindo o dilema de que “o tempo não pode ser desperdiçado”, muitos trabalhadores acabam entrando em um ciclo vicioso de afazeres, que interfere tanto na qualidade profissional como também, na sua própria saúde mental.

Esta buscar por render mais a todo custo é denominada como Produtividade Tóxica, onde se agrega valor exclusivamente ao que é entregue e isso pode ser tanto no trabalho, como nas próprias rotinas de casa.

Um fato da produtividade tóxica é que ela vem aumentando durante a pandemia, isso porque, na modalidade de Home Office, muitas pessoas extrapolam os limites do serviço, ficando até altas horas produzindo ou até usando os dias de descanso para adiantar as tarefas.

Seja pela busca de reconhecimento, concorrência profissional, retorno financeiro ou até por hábito, produzir cada vez mais acaba sendo a meta da maioria dos trabalhadores.

Prejuízos da produtividade tóxica

Estresse, ansiedade, depressão e até a Síndrome de Burnout são reflexos do excesso de trabalho.

Sem descanso, o cérebro acaba sobrecarregando o sistema nervoso, um grande gatilho para desenvolvimento desses transtornos mentais.

Além disso, com o aumento do estresse, hormônios como o cortisol são excretados com maior frequência, elevando o risco de pressão alta, aumento de peso e até piora da memória.

Outro hormônio que é alterado devido ao excesso de produtividade é a serotonina, que está associada ao prazer e bem estar. Ao contrário do que acontece com o cortisol, que é elevado com toda essa sobrecarga cerebral de trabalho, a serotonina acaba sendo reduzida, por isso, é comum a desmotivação e cansaço após uma rotina intensa de tarefas.

Leia mais: Falta de tempo pode resultar em crises de ansiedade e até na síndrome de Burnout

Equilíbrio é preciso!

Muitos trabalhadores acham que apenas as 6 ou 8 horas de sono por noite já basta para garantir um descanso mental e corporal. Apesar de o sono ser estratégico no que se refere à produtividade, não basta apenas dormir bem, é preciso buscar o equilíbrio da rotina.

Isso significa que as 24 horas do dia devem ser dividas, entre trabalho, sono, refeições, lazer, prática de atividades físicas, inclusive, alguns minutos ou até mesmo horas de tédio.

Fica sem fazer nada pode parecer uma perda de tempo para quem está acostumado a produzir incessantemente, entretanto, é uma necessidade humana, que deve ser respeitada. Caso contrário, o resultado é esta positividade tóxica, que além de trazer inúmeros prejuízos à saúde, pode também surtir no efeito contrário e atrapalhar o desenvolvimento do seu trabalho ou tarefa.

Para controlar a produtividade tóxica, especialistas recomendam sessões de psicoterapia comportamental, a fim de que o indivíduo reflita sobre tal comportamento e encontre soluções para não torná-la um hábito.

Além disso, incluir atividades interativas e sociais no dia a dia pode fazer toda a diferença, já que o estímulo de outras pessoas ajuda a manter determinadas atividades, sem que isso se torne obrigações.

Veja também:Estresse pode ser medido através de exame com a cera do ouvido

 

Leia Também:

1 comentário
  1. […] Leia também: Produtividade tóxica: A busca pelo alto rendimento afeta a saúde mental […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.