Pandemia em descontrole na Argentina faz com que o país registre mais de 3.000 diagnósticos positivos em 24h

Impacto financeiro também é grande no país

0

Um recorde desastroso foi batido pela Argentina, colocando-a como um dos países com situação mais crítica quando se trata do coronavírus: em apenas um dia, houve a confirmação de mais de 3.000 pessoas infectadas.

Esse número demonstra que as autoridades argentinas ainda têm muito o que fazer com relação ao impedimento do avanço da COVID-19, inclusive investindo em um isolamento social mais forte.

É interessante comparar esse recorde da Argentina com a situação no Brasil: nosso país é o que tem mais casos na América Latina e um dos lugares mais afetados em todo o planeta. Por aqui, as últimas 24h trouxeram nada menos que 44.571 casos novos.

Por enquanto, a Argentina está vivendo um lockdown para tentar reduzir as taxas de RT, ou seja, de transmissão do vírus. Essa mesma tática já tinha sido usada há quatro meses e não se sabe por quanto tempo os argentinos continuarão em lockdown.

É importante lembrar que ter um país tão próximo e com tanta circulação de coronavírus é preocupante até mesmo para o Brasil que, em certas regiões, está conseguindo deixar a taxa de RT bastante estável.

Até agora, a Argentina soma 1.694 óbitos, com aumento de 50 mortes nas últimas 24h; seus casos confirmados estão em 87.017, com crescimento de exatos 3.604 nas últimas 24h.

Já os números do Brasil são bem maiores e bem mais assustadores: já se ultrapassaram os 68 mil óbitos, com aumento de 1.223 nas últimas 24h. Além disso, o país tem 1.716.196 casos confirmados, com adição de 44.571 nas últimas 24h.

Recessão amedronta Argentina e o Brasil

Os danos que a COVID-19 está causando à saúde dos países, bem como o número de famílias em luto, já é suficiente para causar muita preocupação. Porém, a recessão econômica que esse surto pode impor a diversas nações também não pode ser desconsiderada.

Na Argentina, por exemplo, esse índice pode ser de 12%, resultado em perda de empregos e no endividamento do país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.