Pandemia alterou relógio biológico e sono, diz pesquisa

Também, a saúde emocional e a imunidade ficam comprometida. Veja como se cuidar!

0

De acordo com uma pesquisa, a pandemia do novo coronavírus resultou em brasileiros mais ansiosos e com distúrbios de sono e alimentação. O estudo foi realizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade de Valência, na Espanha.

A pesquisa, “Hábitos saudáveis e estilo de vida durante a pandemia de Covid-19”, foi realizada com 22 mil pessoas. Nela, foram abordados temas como o isolamento/distanciamento social e os hábitos dos brasileiros.

“Hábitos saudáveis e estilo de vida durante a pandemia de Covid-19”

De acordo com o estudo, 44% dos brasileiros modificaram hábitos alimentares. Além disso, 50% relataram alterações no sono com o passar dos meses e 51% mudança nos níveis de estresse na pandemia.

Para a médica neurologista Ester London, responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital VITA, em Curitiba, o sono é o momento de consolidação da memória e do controle da temperatura corporal. “Diversos hormônios são influenciados pelo sono, como, por exemplo, a insulina – que controla a glicose no sangue. Também, a leptina, responsável pela saciedade; a grelina, responsável por estimular o apetite; e a somatotrofina, que age no crescimento.”, destaca Ester.

Assim, neste momento de pandemia, mais do que nunca, é preciso manter o ritmo circadiano. De acordo coma neurologista, isto ajuda a melhorar a imunidade. A médica explica, ainda, que o ritmo ou ciclo circadiano designa o período de aproximadamente 24 horas sobre o qual se baseia o ciclo biológico de quase todos os seres vivos. Além disso, é influenciado, em especial, pela variação de luz, temperatura, marés e ventos entre o dia e a noite.

“São os ciclos diários de funções corporais que mantém a pessoa saudável. Estão presentes em vários órgãos do corpo humano, inclusive no cérebro.”, esclarece a médica.

“E, com  atitudes simples, como manter os horários de sono e o hábito de dormir e acordar nos mesmos horários ajuda na imunidade também, além do controle da ansiedade e estresse na pandemia e sempre!”, complementa a especialista.

O sono ideal

“O ideal é dormir de oito a dez horas, no máximo. Sendo, que, mais do que isto, é desaconselhável. Da mesma forma, ocorre para as refeições, que devem ser realizadas com frequência, e em horários pré-determinados. Além disso, com antecedência da hora de ir dormir.”, sugere Ester.

“Estas dicas ajudam a sincronizar o relógio biológico e a ter qualidade de sono e, consequentemente, , a fortalecer o sistema imunológico. Além disso, a privação ou sono irregular levam a danos secundários, ou seja, dormir pouco aumenta os riscos de diabetes, estresse, hipertensão, obesidade, entre outros problemas.”, alerta a especialista.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.