Ney Matogrosso relembra relação à três: “Já experimentei tudo”

O cantor ainda confessa que era viciado em sexo

0

O cantor Ney Matogrosso sempre foi conhecido por ser irreverente, seja em sua música ou em sua vida pessoal. E em entrevista na quinta-feira, dia 2, provou isso!

Suellen Nóbrega, candidata do Miss Bumbum, fala sobre braço amputado: “Sinto dores todos os dias”

Em uma live com o produtor musical Rodrigo Faour em seu Instagram, Ney foi bem aberto sobre suas experiências sexuais.

Ele explica que viveu um relacionamento à três e não se arrepende:

Já experimentei tudo! Na época do Secos & Molhados, eu viajava com minha namorada e o meu namorado ao mesmo tempo. Ninguém nunca falou sobre isso, ninguém me perguntava. Eu também não dizia porque competia só a mim. Sou uma pessoa discreta. Nunca senti necessidade dessa exposição.

Tanto que seu único vício na época era justamente isso, o sexo:

É verdade que eu não conseguia dormir sem transar antes. Era viciado em sexo. Quando cheguei ao Rio nos anos 70, era tudo liberado. Aí juntou a fome com a vontade de comer. Mas foi passando com a idade.

Ney fala sobre sua carreira

Ainda na entrevista, o cantor relembra o começo de sua carreira, especificamente a primeira vez que ele cantou e decidiu que tinha futuro na carreira.

Ney conta:

A primeira vez que eu cantei foi em Brasília, música popular, música de coral. Villa Lobos se cantava no coral sim.

Foi ali que o cantor recebeu um elogio de um maestro, aliás, que afirmou que sua voz era sensacional:

Sim, porque eu achava que era um defeito. Não achava que era uma vantagem e o legal do coral era que tinha 60 pessoas. Disseram que a minha voz não chegaria aos 40 porque eu forçava a minha voz, mas eu nunca forcei.

O artista aproveitou até para falar sobre a pandemia, especialmente com a questão de sua mortalidade:

Tá tudo esquisito. Tínhamos que passar por isso, mas não estou preocupado para onde estamos indo. Pois tudo é um trânsito, uma passagem. Não sei se estarei vivo, mas sei que vou morrer. Não tenho problema com isso. Vi tanta gente que eu amo morrer que eu não tenho medo mais de uma coisa dessas.

 

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.