Naldo Benny se defende após fala sobre Anitta: “Não diminui ninguém”

O cantor chegou a dizer que "sem ele, Anitta não existiria"

0

Naldo Benny se pronunciou no Instagram, na noite da última sexta-feira (5), ao reafirmar que “sem ele, Anitta não existiria”. O cantor chegou a dizer em entrevista que abriu o caminho para que o funk se tornasse um som forte no exterior e, consequentemente, ajudou a dominação global da Poderosa.

Bárbara Evans perde 22 quilos após dar à luz Ayla

“Quando eu fui ao podcast e citei a Anitta, até citei a Ludmilla, isso não quer dizer que eu estou diminuindo ninguém, são mulheres lindas, eu estou contando a minha história. Dizer que eu comecei uma parada, que eu pavimentei uma estrada para que outros pudessem trilhar, não quer dizer que eu diminuí ninguém”, frisou o artista, casado com a Mulher Moranguinho, a Ellen Cardoso.

Naldo deixou claro que o assunto ainda deve render: “Não disse isso, deixando bem claro. Isso vai ter muito mais pano para manga, vai render muito. Eu falei sobre muitas coisas, falei sobre vida pessoal, trabalhos novos. Durante a pandemia, eu lancei quatro projetos. Eu falo isso com orgulho, eu vim da favela, eu ralei. Eu ia gostar tanto que vocês [imprensa] dessem as músicas novas que eu lanço”.

Por fim, ele garantiu que estava apenas contando sua história, frisando: “De 2010 para trás, eu não vejo uma pessoa que eu fazia o que eu cheguei plantando”.

Relembre a fala de Naldo

Naldo Benny repercutiu nas redes sociais, nesta última sexta-feira (5), ao afirmar em entrevista ao podcast ‘BarbaCast’, que sem ele Anitta não existiria. O cantor se referia à uma fala de Kamilla Fialho, ex-empresária da cantora, que disse que Naldo abriu caminho para que a jovem alcançasse o sucesso internacional.

“A Kamilla está muito certa quando coloca assim: ‘sem o Naldo, não existiria Anitta’. Eu fui o cara que virei o funk para o funk pop. Eu fiz o funk virar uma indústria, industrializei o gênero. Em 2008, eu dava entrevistas dizendo: ‘vou ter uma casa em Miami, vou fazer uma carreira internacional, começando em Miami, para o público latino [que reside por lá]. A Anitta seguiu isso”, explicou ele.

Para Naldo, a semelhança do funk brasileiro com sons norte-americanos permite esse ‘crossover’: “Eu olhei para o quadro e falei: ‘consigo gravar uma música com Jay-Z, com Chris Brown’. Porque o meu som é um som urbano, eletrônico como o deles, é da rua! Por exemplo, o pagode é forte no Brasil, o forró, o sertanejo… Só que o funk tem essa semelhança à música eletrônica, norte-americana”.

 

Veja também: Bárbara Evans perde 22 quilos após dar à luz Ayla

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.