Mulher acusa militar de remover seu cartaz com dizeres contra Bolsonaro na fila de vacinação

Roberta Rodrigues, 39, diz ter sido abordada por homem que se identificou como "S2 Ribeiro"

0

Na fila da vacinação contra a Covid-19 , na manhã desta quinta-feira (08), no Memorial da América Latina, em São Paulo (SP), a jornalista Roberta Rodrigues, 39, afirma ter sido abordada por um militar identificado como “S2 Ribeiro”, que disse que estava cumprindo “ordem do comando do Exército” ao remover um cartaz de protesto contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) do carro dela.

militar cartaz bolsonaro
Cartaz levado por Roberta ao posto de vacinação e imagem do militar que taria feito a abordagem. Imagem: Reprodução/Twitter

O cartaz levado por Roberta ao megaposto de vacinação continha o número de mortos pela Covid-19 no Brasil e os dizeres: “Essas mortes poderiam ter sido evitadas. Não foram e só tem um culpado: Jair Bolsonaro”.

Indignada, a jornalista postou sobre o ocorrido no Twitter, onde o conteúdo foi curtido e compartilhado por milhares de pessoas.

“Fui censurada pelo Exército em uma manifestação pacífica hoje (8/7) no Memorial da América Latina. Antes de sair de casa colei esse cartaz no meu carro. Fui abordada por algumas pessoas lá. Alguns concordavam e outros não, mas democracia é isso, não?”, postou Roberta.

“Esperando a minha vez de ser vacinada vi dois homens com fardas do Exército parando para ler o cartaz e falaram algo sobre ela está falando do Bolsonaro. Um deles veio até o meu carro. Ribeiro disse que eu não poderia falar de Bolsonaro no Memorial da América Latina”, acrescentou a jornalista.

“Questionei se não poderia falar ou falar mal de Bolsonaro e ele disse novamente que não poderia falar e que teria que retirar o meu cartaz. Questionei de quem era a ordem e ele disse que do Comando do Exército”, finalizou.

Jornalista que criticou Bolsonaro ficou com medo de ser presa

Desde 2002, os militares são proibidos por lei de fazerem manifestações políticas e partidárias. O descumprimento pode acarretar em punição administrativa.

“Ali, eu poderia ter feito um escândalo? Sim. Mas a gente ta vivendo dias tão sombrios que eu tive medo. Medo de sair presa. Fiquei quieta”, disse Roberta Rodrigues ao portal UOL.

“Precisamos estar atentos. Hoje, foi porque eu tinha um cartaz. Amanhã, pode ser outra coisa. Eu não sei para onde caminhamos”, concluiu.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.