MP pede afastamento de servidores de Manaus por fraudes em vacinação

O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) disse que a Prefeitura contratou servidores só para que eles tomassem a vacina contra a Covid-19

1

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) quer o afastamento de dois servidores públicos de Manaus. O motivo: eles podem ter ajudado no processo de irregularidade na vacinação contra a Covid-19 na cidade.

De acordo com o MP-AM, a Secretária de Saúde da cidade, Shadia Fraxe, e o seu assessor, Djalma Coelho devem passar por um afastamento. Além disso, eles querem também o afastamento do Prefeito da cidade, David Almeida.

São apenas três pedidos, mas o Ministério acredita que muito mais gente se envolveu em toda essa situação. De acordo com o documento do MP, a Prefeitura estava contratando pessoas para que elas recebessem o imunizante.

Segundo o MP, o caso mais claro disso foi a contratação de duas médicas, que são irmãs. Uma delas é Gabrielle Kirk Maddy e a outra é Isabelle Kirk Maddy. O MP disse que a Prefeitura contratou as duas momentos antes da vacinação. E elas saíram do emprego momentos depois.

Isso aconteceu, ainda de acordo com o MP, com vários outros profissionais. A Prefeitura negou qualquer irregularidade nesse sentido. Em nota, o governo municipal afirmou que está disposto a ajudar a esclarecer qualquer possível erro no processo da vacinação na cidade.

Servidores de Manaus

Há algumas semanas atrás, a capital do Amazonas registrou um dos piores momentos da pandemia no Brasil. Um colapso no oxigênio fez com que vários pacientes morressem sem ar. O Ministério da Saúde chegou a ter que transferir pacientes para outros estados.

De acordo com o MP, tudo isso torna o caso das irregularidades ainda mais graves. É que essas pessoas podem ter tirado a oportunidade de vacinação de outras pessoas que estão precisando mais. Seja como for, a investigação continua.

Leia Também:

1 comentário
  1. […] grupo de profissionais da saúde se reuniu para fazer um protesto em Manaus na manhã desta terça-feira (23). O protesto, aliás, ainda não chegou ao fim até a publicação […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.