Ministro do STF prorroga apuração sobre conduta de Bolsonaro na pandemia da Covid-19

Bolsonaro e aliados são alvos da investigação que visa constatar se houve uma suposta incitação ao crime durante a pandemia da Covid-19

0

Luís Roberto Barroso, ministro, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou nesta quarta-feira (04) o inquérito que apura a conduta do presidente da República Jair Bolsonaro (PL) e de políticos aliados durante a pandemia da Covid-19. A investigação, que visa constatar se houve uma suposta incitação ao crime, estará ativa por pelo menos mais 60 dias.

MPF quer prioridade na análise da ação que acusa Bolsonaro e Wal do Açaí de improbidade

Essas investigações tiveram início em outubro do ano passado após senadores que faziam parte da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 concluírem os trabalhos da cúpula e entregarem o relatório final da CPI da Covid-19 ao STF.

A decisão do ministro de adiar a conclusão das diligências foi ao encontro do que pediu a Polícia Federal (PF), que pediu mais tempo para concluir os trabalhos, e ainda teve o aval da Procuradoria-Geral da República (PGR), que recentemente pediu ao STF que a corte arquivasse outras investigações pedidas após o fim da CPI da Covid-19.

Bolsonaro STF
Bolsonaro e aliados são alvos da investigação que visa constatar se houve uma suposta incitação ao crime durante a pandemia da Covid-19. (Foto: reprodução)

No relatório da CPI, os senadores concluíram que o governo federal se omitiu na conscientização da população sobre o combate à Covid-19. Não suficiente, os parlamentarem apontaram que existiu a “participação efetiva do presidente da República, de seus filhos, de parlamentares, do primeiro escalão do governo e de empresários na criação e disseminação das informações falsas sobre a doença”.

“Essas condutas colocaram a saúde das pessoas em risco, uma vez que contribuíram para o rápido incremento da contaminação pelo coronavírus, pelo surgimento de nova cepa do vírus e pelo aumento do índice de ocupação dos leitos hospitalares e, consequentemente, para a morte de milhares de brasileiros”, afirma o relatório.

Além do presidente da República, também são alvos do inquérito:

  • Deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho de Bolsonaro;
  • Senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), também filho do presidente;
  • Deputado Onyx Lorenzoni (PL-RS).
  • Deputada Carla Zambelli (PL-SP);
  • Deputada Bia Kicis (PL-DF);
  • Deputado Osmar Terra (MDB-RS);
  • Deputado Carlos Jordy (PL-RJ);
  • Deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo.

Leia também: Fux e Barroso defendem a democracia e o combate às fake news nas eleições em evento no STF

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.