Lesmas marinhas ajudam cientistas a rastrear as mudanças climáticas

0

As lesmas marinhas nas águas ao redor da Austrália estão sendo usadas para ajudar os cientistas a entender melhor as mudanças climáticas. Pesquisadores pesquisam há oito anos o movimento dos animais e apontam o impacto do aquecimento global na vida marinha. 

Censo de lesmas marinhas da Austrália ajuda a monitorar as mudanças climáticas (Foto: reprodução)

Desde 2013, o Sea Slug Census (Censo de lesmas marinhas), um programa desenvolvido por voluntários, documentou observações desses invertebrados do mar ao longo da costa australiana. O trabalho conjunto já registrou mais de 630 espécies, inclusive descobriu alguns tipos de lesmas até então desconhecidas.

Apesar de parecerem estranhos a algumas pessoas, esses pequenos seres vivos, que pertencem ao grupo de moluscos coloridos, têm sido particularmente úteis na compreensão dos impactos do aquecimento global. Isso ocorre porque eles normalmente têm uma vida útil de menos de um ano, o que significa que respondem mais rapidamente às mudanças das condições ambientais.

Monitoramento das lesmas marinhas

Até agora, mais de 60 espécies foram encontradas significativamente mais ao sul do que seus limites de distribuição usuais. Isso pode mostrar mudanças na temperatura da água e no fornecimento de alimentos, bem como na força das correntes. Conforme Steve Smith, professor da Southern Cross University, na Austrália, algumas lesmas marinhas estão 2.500 quilômetros mais ao sul do que foram registrados antes.

“A corrente marítima da Austrália Oriental é um ótimo mecanismo para transportar organismos em seus estágios larvais. Uma das coisas previstas para acontecer sob as mudanças climáticas é o aumento da força e da frequência da Corrente da Austrália Oriental. Então, isso significa potencialmente que temos essa faixa transportadora de espécies tropicais que vai entrar nas águas costeiras com mais frequência”, explicou Smith.

Em resumo, temperaturas mais altas podem significar mais lesmas do mar. Por isso, especialistas alertam que não podemos ignorar que o aquecimento dos mares significa menos alimento para as aves marinhas e impactos adversos para todos os ecossistemas.

Leia também: Hipopótamos de Pablo Escobar são muitos e ameaçam o meio ambiente na Colômbia

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.