Jerominho, ex-vereador e criador de milícia, é assassinado no Rio

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra o momento exato em que Jerominho é atingido e cai no chão

0

Conhecido como Jerominho, o ex-vereador do Rio de Janeiro Jerônimo Guimarães Filho, apontado como sendo um dos fundadores de uma milícia que atua na Zona Oeste da capital carioca, foi assassinado nesta quinta-feira (04) após ter sido surpreendido por criminosos que o acertaram no abdômen e na perna usando fuzis.

De acordo com informações do portal “G1”, o ex-vereador chegou a ser socorrido com vida, mas acabou não resistindo aos ferimentos e morreu. Além de Jerominho, apontado como fundador da Liga da Justiça, milícia responsável pela prática de homicídios e cobrança de taxas de segurança de comerciantes e moradores do Rio de Janeiro, seu cunhado também estava no local e foi atingido.

Conforme o portal, o homem foi resgatado com vida e encaminhado para o Hospital Rocha Faria. Até o momento, ainda não há informações da região do corpo do cunhado de Jerominho, que não teve seu nome revelado, foi atingido. Todavia, sabe-se que o estado de saúde dele é considerado estável.

Nas redes sociais, vídeos mostram o momento exato em que o crime aconteceu. Nas imagens, dá para ver Jerominho e seu cunhado saindo do carro. De repente, um automóvel branco se aproxima. Neste momento, três homens de preto saem do veículo e, usando fuzis, passam a atirar contra o ex-vereador, que cai no asfalto enquanto os criminosos entram no carro e saem em disparada.

jerominho
Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra o momento exato em que Jerominho é atingido e cai no chão. (Foto: reprodução)

Jerominho vereador

Jerominho foi vereador durante o ano de 2001 e 2008. Um ano antes de acabar seu mandato, ele foi preso e cumpriu 11 anos de prisão por conta de uma série de crimes. No ano seguinte, o nome dele apareceu em uma lista que tinha 227 pessoas indiciadas na Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) das Milícias.

Em janeiro deste ano, o Brasil123 mostrou que o ex-vereador foi preso pelo crime de extorsão majorada por emprego de arma de fogo, mas acabou sendo solto uma semana depois. Na ocasião, a Polícia Civil revelou que os crimes teriam sido praticados em 2005 quando o grupo criminoso comandado por ele extorquia motoristas de vans na região de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Leia também: Castro, governador do Rio, demite presidente do Ceperj

5/5 - (1 vote)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.