Itália busca novas medidas para conter o coronavírus

Uma reunião ocorreu neste domingo (10) para debater regras e imposições, visando o combate à doença.

1

Neste domingo (10) Roma se pronunciou sobre a nova onda do novo coronavírus. O governo da Itália, juntamente com os governantes de cada região estiveram em reunião neste domingo, por meio de videoconferência. O objetivo da reunião era debater novas formas de enfrentamento para a doença. Assim também, novas regras sanitárias contra o vírus são definidas, as quais serão aplicadas a partir de 16 de janeiro.

Regras em pauta e faixa branca na Itália

Diversas ideias estiveram em pauta, entre isso, foi levantada a possibilidade de mudar regras vigentes do sistema de fase por cores, que varia de acordo com os dados epidemiológicos de cada local. Houve a ideia de adicionar a faixa branca, para lugares que estiverem com um índice de infecção abaixo de 0,5 por habitante. O toque de recolher será mantido, deve acontecer entre 22h e 5h em todas as cidades.

Mudanças nas faixas de cada região na Itália

Pessoas que participaram da reunião disseram que mudanças significativas acontecerão, principalmente nas faixas laranja e amarela. Na laranja, haverá a proibição de retirar itens em bares depois das 18h, sendo permitida a retirada apenas em restaurantes, evitando que reuniões informais entre pessoas aconteçam. 

Contudo, na fase amarela da Itália (mais tranquila nas restrições), será proibido o deslocamento entre regiões, caso o motivo apresentado não seja totalmente essencial. Até então, essa regra só valia para fase vermelha e fase laranja.

Medidas para combater aglomerações

Aqui, no Brasil, algumas reuniões são nomeadas de “happy hour”, mas na Itália são chamadas de “movidas”. Ações para evitar essas reuniões são discutidas. No Brasil, vemos muitas notícias sobre festas clandestinas e comércios que desrespeitam às regras, porém, em alguns países, medidas firmes e punições são definidas para esse tipo de reunião. O objetivo é o mesmo: amenizar as aglomerações e tentar conter o avanço da doença em cada região.

Fonte: IstoÉ / Imagem: R7

Leia Também:

1 comentário
  1. […] Astrazeneca em parceria com a universidade de Oxford a fim de frear a disseminação da Covid-19 no Brasil – o país comprou 210 milhões de doses do imunizantes, que serão entregues até o final do […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.