Índia processa dezenas de jornalistas que criticaram governo do país

Há registros de mais de 50 jornalistas foram agredidos ou ameaçados no país asiático. Profissionais criticaram atuação do governo na pandemia

0

A Índia prendeu dezenas de jornalistas nas últimas semanas. Em comum existe o fato de que todos esses profissionais criticaram o governo indiano pela atuação durante a pandemia do novo coronavírus no país.

Neste momento, a Índia está apresentando uma curva ascendente de contaminação e de novas mortes. O governo nacional passou a ser criticado por supostamente ter relaxado as regras de distanciamento muito cedo. Mas o governo nega que tenha sido displicente.

De acordo com informações do jornal britânico The Guardian, há registros de que pelo menos 50 jornalistas sofreram consequências por críticas. Entre as denúncias, há casos de alegadas prisões ou mesmo de agressões físicas.

Ainda de acordo com o jornal, a maioria dos jornalistas afetados são independentes. Ou seja, não necessariamente trabalham para alguma empresa ou corporação. A maioria deles trabalha na Zona Rural do país, que é o lar da maioria da população indiana.

Um desses jornalistas é Om Sharma. Em entrevista para veículos internacionais, ele disse que foi acusado de ter cometido um crime. De acordo com ele, o crime teria sido a exibição de uma reportagem no facebook, onde uma família com fome por causa do bloqueio era mostrada.

Jornalistas da Índia

A polícia indiana acusou Sharma de três crimes. Foram eles: compartilhamento de fake news, desobediência à ordem de um servidor público e negligência diante da pandemia. Essa última foi aplicada porque o jornalista teria se dirigido até a casa da família que passava fome e causado aglomeração.

O fato é que a Índia colocou em prática um dos maiores planos de distanciamento social do mundo. Estima-se que bilhões de pessoas foram impedidas de sair de casa. Mas essas regras foram arrefecidas.

Coincidência ou não, o fato é que os números voltaram a subir. Até a publicação desta matéria, mais de 1,58 milhão de pessoas já tinham sido infectadas. Entre elas, cerca de 38 mil não resistiram durante a pandemia do novo coronavírus por lá.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.