Estudo sugere imunidade de até 8 meses pós Covid-19

Cientistas pesquisam células de defesa que podem determinar esse período de imunidade

1

Com o passar do tempo, os cientistas conseguem descobrir mais sobre a imunidade adquirida após contaminação pela Covid-19. Se baseando no estudo incansável de pessoas que já passaram pela doença, isso é possível.

Nesta quarta-feira (6), foi publicado um estudo na revista Science. O estudo mostra que células de defesa do organismo contra a Covid-19 foram encontradas depois de 8 meses em organismos antes infectados pelo novo Coronavírus. 

Neste estudo, houveram 254 amostras de sangue de 188 pessoas recuperadas da doença. Depois disso, foram analisados os anticorpos IgG. Esses anticorpos são os que nos protegem contra invasores como:

  • bactérias;
  • vírus;
  • substâncias químicas;
  • toxinas.

Além deles, foram analisadas células de defesa B e T.

Perfil dos pacientes no estudo

Grande parte dos pacientes alvos do estudo tiveram a forma leve da doença. A maioria dos pacientes não precisou de internação. Os autores do estudo são estadunidenses, por isso, a pesquisa se deu pela maior parte dos casos que aconteceram no país. Dessa forma, como a maior parte dos pacientes que tiveram a forma sintomática da doença não precisaram de hospitalização, isso refletiu na pesquisa científica.

Período de imunidade do Coronavírus

O artigo demonstra que, em média, 99% dos infectados pelo coronavírus desenvolvem a soroconversão. Essa é a situação em que o organismo adquire anticorpos contra a doença. Com isso, esse novo estudo mostra que a imunidade pós Covid pode durar até oito meses. Mas, com uma pequena diminuição de proteção no período entre seis e oito meses após a contaminação.

A importância de identificar células de defesa para imunidade contra a Covid-19

Essa tem sido a maior meta de todos os pesquisadores. Identificar as possibilidades de imunidade para a Covid-19 é o objetivo. Isso porque, apenas através desse resultado será possível determinar a cobertura vacinal. Então, determinar o tempo necessário para reaplicação da vacina e o tempo em que o organismo naturalmente se protege contra o novo vírus. 

Identificar células de defesa no organismo de pacientes recuperados indica que, se as mesmas pessoas entrarem em contato novamente com o vírus, podem não desenvolver a doença. Ainda assim, se desenvolvida, terá um quadro mais leve. Contudo, os autores da pesquisa salientam que ainda é cedo para ter uma resposta definitiva sobre imunidade natural contra o novo Coronavírus. 

A população deve manter as regras de higiene e distanciamento

Assim, a população precisa continuar colocando em prática as regras de distanciamento social. Sem esquecer do uso de máscaras e higienização. Esperando, assim, até que os cientistas finalmente encontrem a resposta certa para a imunização. 

Leia Também:

1 comentário
  1. […] uma ‘muralha’ contra o SARS-CoV-2, que impede que o patógeno entre no epitélio, que o sistema imunológico seja ativado e que sejam produzidos anticorpos”, diz à Agência FAPESP Regina Pekelmann […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.