Ibovespa sobe pela 7ª semana seguida e está a 1.600 pontos do recorde histórico

A sexta (18) marcou leve queda com desconforto político no país

1

O Ibovespa, principal índice acionário da bolsa brasileira, emendou a sétima semana seguida de avanço. A saber, a última vez que o indicador conseguiu tantos ganhos semanais consecutivos de foi entre julho e setembro de 2017. Ou seja, há mais de três anos que o Ibovespa não registrava uma sequência tão longa de altas. Assim, o índice acumulou ganhos de 2,51% nesta semana. Aliás, no mês de dezembro, o indicador está com variação positiva de 8,38%. E, em 2020, depois de eliminar as fortes perdas de mais de 47%, o Ibovespa registra avanço de 2,06%. Um feito realmente surpreendente.

 

Ibovespa cai nesta sexta

Na sessão de ontem (18), o indicador seguiu trajetória inversa da verificada no exterior e terminou o dia com leve queda de 0,32%, aos 118.023,67 pontos. A retração aconteceu, principalmente, graças ao mau estar entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Em resumo, Bolsonaro acusou Maia de deixar a Medida Provisória (MP) sobre a 13ª parcela do Bolsa Família caducar, o que significaria que o prazo teria encerrado. No entanto, Maia o chamou de “mentiroso” e afirmou que a MP seria votada.

Além disso, o cenário externo, com aumento de infecções e mortes pela Covid-19, que vai contra o aumento da vacinação entre os países, também impactou na bolsa. Na sessão, 54 das 77 ações que compõem o Ibovespa caíram. Ao todo, movimentaram R$ 22,6 bilhões. O resultado mostra que, apesar da maioria absoluta das ações terem sofrido perdas no dia, papéis de commodities, que são significativas para a carteira, subiram no dia e conseguiram evitar fortes perdas.

 

Variações do índice

O top cinco das maiores variações semanais foi formado por: Totvs ON (11,41%), BTG Pactual units (10,38%), Braskem PNA (10,37%), Suzano ON (9,74%) e Metalúrgica Gerdau PN (8,48%). Nesse caso, vale ressaltar as subidas de siderúrgicas, como a Gerdau, no top cinco, e a CSN ON (7,6%) e a Usiminas PNA (5,3%). Da mesma forma, a Klabin (6,5%), ligada à celulose e ao papel, como a Suzano ON, também teve alta expressiva na semana. Ao mesmo tempo, Vale, bancos e Petrobrás, que concentram grande parte da carteira do índice, contribuíram para o saldo positivo na semana.

Por outro lado, as quedas semanais mais intensas vieram de: Cogna ON (-9,81%), Gol PN (-7,02%), Sabesp ON (-6,89%), Azul PN (-6,80%) e Yduqs ON (-5,68%). Ou seja, empresas que já sofreram muito na pandemia, como Gol, Azul e CVC, ligadas a viagens e turismo, e Cogna e Yduqs, ligadas à educação, voltaram a ter perdas significativas nesta semana.

 

LEIA MAIS

Índice de Confiança da Indústria sobe em dezembro, diz prévia FGV

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.