Grupo fraudou mais de 3 mil benefícios do auxílio emergencial, diz PF

Os suspeitos obtinham CPFs de potenciais beneficiários do Auxílio Emergencial, faziam o cadastro e pagavam boletos de compras com o valor

0

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na manhã desta segunda-feira (03), uma operação com o intuito de desarticular uma organização criminosa responsável por saques do Auxílio Emergencial, mediante fraude, em diversos estados do Brasil. Segundo entidade, os criminosos fraudaram cerca de três mil benefícios.

Tesoureiro desvia R$ 8 milhões de prefeitura no RS e perde tudo no mercado financeiro

Em nota, a entidade revelou que agentes cumpriram quatro mandados de busca e apreensão, em Canoas e Parobé, cidades localizadas no Rio Grande do Sul, e em Palhoça e Jurerê Internacional, localizadas no estado de Santa Catarina.

A investigação da PF

De acordo com a Polícia Federal, as investigações contra os criminosos começaram em maio de 2020, quando o Auxílio Emergencial havia acabado de nascer.

À época, agentes da Brigada Militar, durante uma operação na cidade de Taquara, no Rio Grande do Sul, apreenderam um caderno com CPFs de possíveis beneficiários do Auxílio Emergencial, endereços de e-mail e senhas com indicação de saques e valores. Na ocasião, os policiais também apreenderam armas e drogas.

Com essas informações, a PF passou a realizar diligências a fim de identificar a forma de atuação do grupo criminoso. Segundo a corporação, para cometer o crime, os suspeitos obtinham CPFs de potenciais beneficiários do Auxílio Emergencial.

Durante a ação, eles criavam e-mails e faziam o cadastramento no site da Caixa Econômica Federal. Logo após o depósito dos valores, eles realizam pagamento de boletos de compras realizadas pela organização criminosa.

“A estimativa é de que o grupo tenha fraudado cerca de 3 mil benefícios em diversos estados do Brasil, principalmente no Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, e causado prejuízo de R$ 2 milhões”, revelou a Polícia Federal em nota.

Nas buscas realizadas na manhã desta segunda, foram aprendidos 60 mil reais e documentos de interesse da investigação. Além disso, também foram presas três pessoas em flagrante por posse de arma de fogo e de drogas em Jurerê Internacional e Canoas.

Leia também: PF investiga lavagem de dinheiro do PCC; contas movimentaram R$ 700 milhões

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.