Gafanhotos reaparecem e atacam lavouras na Argentina

De acordo com informações do Governo da Argentina, os gafanhotos estão de volta. Mas desta vez eles são gafanhotos jovens

2

Os gafanhotos estão de volta. De acordo com informações do próprio Governo da Argentina os insetos voltaram a tirar o sono de agricultores do país. Desta vez, eles atacaram lavouras de algodão e soja na província de Chaco.

Mas o momento não exige pânico. Pelo menos não ainda. De acordo com o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa), esses insetos ainda são jovens. Então eles não são capazes de formar uma nuvem e atacar lavouras de maneira coordenada.

Mas há um início de uma preocupação. É que se os insetos estão jovens agora, significa que mais cedo ou mais tarde eles irão se tornar adultos. E quando se tornarem adultos eles poderão formar as nuvens de ataque.

Por isso, o Senasa está pedindo que os próprios agricultores monitorem os gafanhotos. Isso porque se cada um fizer sua parte matando esses insetos, as chances da criação de uma nova nuvem no futuro diminuem muito. Pelo menos é o que os especialistas dizem.

Em entrevistas para veículos de imprensa do país, esses agricultores mostram muita preocupação com a situação. Isso porque esses insetos podem acabar com plantações inteiras. O prejuízo para a economia do país pode ser desastroso.

Além dos gafanhotos

Esse não é o único problema que afeta os argentinos neste momento. É que além de tudo isso, o país vem enfrentando números recordes de contaminação da Covid-19. Há quem diga que tudo está acontecendo por causa das variantes brasileiras.

Seja por causa das variantes brasileiras ou não, o fato é que a situação é preocupante por lá. Especialistas em saúde pública afirmam que o país precisa entrar em lockdown de duas semanas para tentar conter o vírus.

Leia Mais: Argentina consegue diminuir tamanho da nuvem de gafanhotos

Leia Também:

2 Comentários
  1. […] Gafanhotos reaparecem e atacam lavouras na Argentina […]

  2. […] Leia também: Gafanhotos reaparecem e atacam lavouras na Argentina […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.