Gabriel Monteiro: vereador vira réu por filmar sexo com adolescente

Recentemente, veio à tona uma série de vídeos em que mostrava o vereador tendo relações sexuais com uma adolescente de 15 anos

0

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público (MP) e tornou réu o influenciador e vereador da capital carioca Gabriel Monteiro (PL), acusado de ter filmado suas relações sexuais com uma adolescente.

Câmara pagou R$ 871 mil a assessores que produziam vídeos para Gabriel Monteiro

Em sua decisão, o juiz do VII Juizado da Violência Doméstica, Marcelo Almeida de Moraes, determinou o prazo de dez dias para que o parlamentar apresente sua defesa, indique testemunhas e provas de sua inocência.

“Presentes os pressupostos legais autorizadores do exercício do direito de ação penal, recebo a denúncia”, escreveu o juiz em uma ordem tomada no começo de maio, mas revelada somente nesta quarta-feira (18).

Em abril, Gabriel Monteiro alegou que não sabia que a adolescente com quem teve relações sexuais tinha 15 anos. Além disso, apesar de confessar que gravou os vídeos, ele afirmou que não foi o responsável por ter publicado o conteúdo na internet.

Denúncia contra o vereador

A denúncia contra o vereador foi feita no começo de abril, quando veio à tona uma série de vídeos em que mostrava o parlamentar tendo relações sexuais com a adolescente de 15 anos.

Conforme a 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Territorial da área Zona Sul e Barra da Tijuca, Gabriel Monteiro conheceu a jovem em uma academia do condomínio onde o vereador mora.

Por conta do caso, o vereador foi denunciado por quebra de decoro parlamentar devido à suposta prática de estupro, de assédio sexual e moral, além de manipulação de vídeos e infração a direitos de uma criança, que foi a personagem principal de um dos vídeos produzidos pelo influenciador.

Desde que as denúncias vieram à tona, Gabriel Monteiro tem negado o cometimento de qualquer crime e ainda alegado que as ações estão sendo feitas por adversários políticos que querem destruí-lo. Com esse argumento, o vereador tentou anular os processos disciplinares que tramitam contra ele no Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. No entanto, esse pedido foi negado e os procedimentos continuarão normalmente.

Leia também: Arthur do Val tem mandato cassado e fica inelegível por oito anos

5/5 - (1 vote)

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.