Gabriel Medina volta a criticar COB por não poder levar Yasmin Brunet às Olimpíadas

O surfista diz que representará o país nos Jogos, mas que ficou bastante triste com o Comitê Olímpico

0

Gabriel Medina voltou a criticar o COB (Comitê Olímpico Brasileiro), na última quarta-feira (7), por não permitir a ida de Yasmin Brunet às Olimpíadas de Tóquio, no Japão, como parte da equipe. O surfista deve embarcar para os Jogos apenas na companhia do novo treinador, Andy King.

Jogos Olímpicos vão ser realizados sem público, anuncia COI

Após desabafo da esposa, o atleta segue afirmando que outros atletas estão levando pessoas que não são da área do esporte: “Eu realmente pedi que a Yasmin fosse comigo como os outros atletas do surfe também estão levando uma pessoa com eles. A gente tem o direito de escolher, e todos estão levando pessoas que não são treinadores, nem coachs, assim como a Yasmin também não é. Eu comecei o ano viajando com ela, e ela faz parte do meu staff, me acompanhando nas viagens. A única coisa que eu quero fazer é continuar viajando com o meu time com quem está me ajudando de verdade”.

Vale lembrar que Tatiana Weston-Webb, uma das candidatas do Brasil, levará o marido, Jessé Mendes, que é seu treinador. Ítalo Ferreira levará um amigo surfista que filma suas manobras e, portanto, está envolvido diretamente no esporte.

Gabriel tentou falar até com o presidente do COB

Por meio do stories do Instagram, Gabriel Medina diz que até recorreu ao presidente do Comitê, Paulo Wanderley, mas sem sucesso: “Tentei entrar em contato várias vezes através dos meus representantes para saber porque essa regra é diferente comigo. Não quero um tratamento especial, não quero levar uma pessoa a mais, só quero viajar com uma pessoa que tem me ajudado de verdade. É por isso que estou me sentindo prejudicado. Liguei para o presidente, liguei para as pessoas de lá e ninguém conseguiu me ajudar com isso. Assim é o meu staff e assim vai continuar até o fim do ano”.

Relembre posicionamento do COB

O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) esclareceu que apenas um profissional que esteja credenciado pode substituir outro. Além disso, há uma limitação de credenciais por conta da pandemia da Covid-19 e cada atleta terá direito à apenas um acompanhamento, que tenha ligação com a modalidade.

No ano passado, a COB teria informado sobre a criação de um programa ‘Familiares e Amigos’, no qual as pessoas mais importantes na vida dos atletas poderiam estar nas Olimpíadas, com acomodação paga e com ingressos para as competições. O programa foi cancelado por conta da pandemia.

O COB mantêm que em maio deste ano Gabriel apenas pediu credencial para o treinador, Andy King.

 

 

Veja também: Joaquim Lopes e Marcella Fogaça relatam susto com filha bebê

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.