Fiocruz reforça que reinfecção por Covid-19 é real e pode ser grave

No estudo, o principal autor do relatório explicou que apressou ao máximo a divulgação dos resultados por uma questão de responsabilidade social

4

Um estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revelou que casos assintomáticos e mesmo brandos de Covid-19 não oferecem imunização contra a doença. O estudo, divulgado na noite de ontem, quarta-feira (23), foi publicado na Social Science Research Network.

Leia também: Homens que atiraram após se negarem a usar máscara pegam prisão perpétua

De acordo com a fundação, o trabalho reforça a ideia de que a reinfecção pela Covid-19 é possível e pode resultar em um quadro grave da doença. Desta forma, a população está ainda mais vulnerável à pandemia do que se imaginava.

No estudo, o principal autor do relatório, o virologista Thiago Moreno, explica que apressou ao máximo a divulgação dos resultados por uma questão de responsabilidade social. “Estamos às vésperas do período de festas e viagens de férias e, se você já teve uma infecção assintomática ou branda, isso não significa que não vá ter de novo, nem que será branda novamente”, revelou.

Reinfecção da Covid-19 é fato e não mito

Para Thiago Moreno, o estudo serviu para reforçar a ideia de que a reinfecção é possível. De acordo com ele, a primeira exposição ao vírus não garante uma memória imunológica do organismo.

“Pessoas com casos assintomáticos ou muito brandos, se forem reexpostas ao vírus, poderão ter novamente uma infecção”, disse. “Desta vez, pode ser uma infecção mais severa do que a primeira, como demonstrado na pesquisa.”

Ele explica que quando o corpo é invadido por algum microorganismo estranho, ele, inicialmente, lança uma resposta genérica para combater o invasor. Quando o indivíduo é assintomático, essa resposta não gera uma memória da invasão. Ou seja, nesses casos, não há imunização.

Nas formas mais graves e mais longas da doença é diferente, ele afirma. Isso porque há a formação de uma resposta adaptativa específica para combater aquele invasor. Essa resposta é que forma a imunização.

Um outro problema, segundo Moreno, é que em alguns casos pode até acontecer uma imunização, mas que não é duradoura – é o que ocorre no caso do vírus influenza, por exemplo. “Os dois mecanismos podem estar acontecendo em paralelo”, explicou.

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.