Faturamento e volume das exportações de carne de frango crescem no ano

Na comparação com os cinco primeiros meses de 2020, o faturamento cresceu 4,8%, enquanto o volume teve alta parecida, de 4,6%

0

As exportações de carne de frango cresceram nos cinco primeiros meses de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado. E isso aconteceu tanto em relação ao volume embarcado quanto ao faturamento observado. A saber, os dados fazem parte do levantamento da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), divulgado ontem (9).

Em resumo, houve o envio de 1,846 milhão de carne de frango ao exterior de janeiro a maio deste ano, o que fez o faturamento chegar a US$ 2,826 bilhões. Assim, o volume exportado ficou 4,6% maior que o de 2020, enquanto o faturamento das vendas realizadas cresceu 4,8% na comparação interanual.

Esse resultado expressivo ganhou bastante impulso com o saldo de maio. Só no quinto mês do ano, 414,3 mil toneladas de carne de frango foram exportadas, alta de 3,7% em relação ao mesmo período de 2020 (399,4 mil toneladas).

O volume exportado em maio fez a receita cambial chegar a US$ 656,3 milhões, desempenho 20,1% maior que o observado em maio do ano passado. À época, o faturamento obtido com as exportações de carne de frango atingiram US$ 546,3 milhões.

Principais países importadores de carne de frango

De acordo com a ABPA, os países que importaram a maior quantidade de carne de frango no acumulado dos cinco primeiros meses foram: Filipinas (61,9 mil toneladas), Rússia (42,8 mil toneladas), Reino Unido (41,7 mil toneladas) e Chile (39,7 mil toneladas).

Além disso, o levantamento mostrou que o Paraná figurou como o principal exportador do Brasil. O estado enviou 737,1 mil toneladas para o exterior de janeiro a maio deste ano. Esse volume ficou 6,5% maior que o registrado no mesmo período de 2020. Em seguida, ficaram os outros países do Sul: Santa Catarina, com 399,9 mil toneladas exportadas, e Rio Grande do Sul, com 287,8 mil toneladas.

“O bom ritmo das vendas de carne de frango para o mercado internacional vem ajudando a equilibrar a pressão gerada pelos custos de produção às empresas que têm acesso às exportações, que representam em torno de 70% das plantas sob inspeção federal.”, explicou o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Leia Mais: Exportações de carne bovina caem no acumulado dos cinco primeiros meses do ano

Veja Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.