Estresse pode ser medido através de exame com a cera do ouvido

A secreção encontrada no ouvido pode apresentar o nível de cortisol, hormônio associado ao estresse

1

Muitos desequilíbrios na saúde física e mental acabam sendo justificados devido ao estresse, entretanto, saber qual nível deste estado em cada indivíduo pode provocar tais consequências, até então, era quase incerto.

Após um estudo feito pelo Instituto de Neurociência Cognitiva do University College London, identificar a taxa de estresse no organismo passou a ser possível, inclusive, através de um teste muito prático feito com cera de ouvido.

As secreções oleosas no canal auditivo apresentam os níveis de cortisol, hormônio associado ao estresse, portanto, quanto maior for a quantidade de cortisol na cera de ouvido, mais estressado o indivíduo pode estar, elevando riscos de inúmeros transtornos.

Apesar de os níveis de cortisol, também serem medidos por meio de exames de sangue, os pesquisadores do estudo acreditam que o processo pode ser estressante, levando a um resultado falso-positivo. Além do mais, com a cera de ouvido a confirmação acaba sendo mais estável, já que a secreção pode preservar a quantidade de hormônio produzida ao longo de um bom tempo.

Como é feito o exame

A coleta da cera de ouvido não é feita através de um cotonete convencional. Durante a pesquisa, foi desenvolvido um coletor que não prejudica a estrutura do tímpano.

O recurso possui um tipo de freio, que evita a aproximação à região da membrana sonora.

Este novo método, abre chances em longo prazo para o diagnóstico de outras condições como os níveis de glicose, anticorpos contra vírus, incluindo, doenças psiquiátricas como a depressão.

Sobre os efeitos do cortisol

Além de denunciar o estresse, o cortisol pode refletir em quase todos os sistemas do corpo desde o imunológico até o sono.

Sua principal função é ajudar o organismo a controlar o estresse, reduzir inflamações, além de contribuir para o funcionamento do sistema imune, mantendo os níveis de açúcar no sangue constantes, assim como a pressão arterial, entretanto, quando alterado, pode acarretar em prejuízos à saúde.

Entre os feitos do cortisol alto, o indivíduo pode notar perda de massa muscular, aumento de gordura ou diminuição de testosterona. Já quando está baixo pode ocasionar sintomas de depressão, cansaço ou fraqueza.

Vale lembrar, que em momentos de estresse o cortisol tende a ser liberado em maior quantidade no nosso organismo, por isso é conhecido como o hormônio do estresse.

Veja mais: Queda de cabelo e acnes podem ser consequências do estresse emocional

O que fazer para controlar o estresse?

Mesmo que o exame de cera de ouvido ainda não esteja disponível para analisar o nível de estresse, muitas pessoas já reconhecem seus sinais, entre dores de cabeça, na barriga, perda de libido, agravações de dermatites e é claro, as alterações de humor, que variam entre irritabilidade, esgotamento e até angústia.

Para evitar esses sintomas, algumas medidas no dia a dia podem ajudar, como realizar sessões de psicoterapia, meditação, praticar atividades físicas e garantir um hobbie, como ler ou ouvir música.

Em alguns casos, há necessidade de introduzir medicamentos para controlar os níveis de cortisol no organismo, entretanto, esta medida deve ser prescrita por um médico.

Leia também: Estresse Tóxico: Problemas gastrointestinais e aumento de peso estão entre suas reações

Veja Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.