Entenda o que é a B3, a bolsa de valores oficial do Brasil

Ibovespa é o índice mais conhecido da bolsa brasileira

0

Todo mundo ouve falar da bolsa de valores do Brasil, mas nem todos sabem que o nome da companhia responsável pela bolsa é a B3. A sua função é fornecer liquidez ao mercado. Dessa forma, há uma maior segurança para as pessoas adquirirem ativos, através de um ambiente que permite transformar o investimento em dinheiro. Ou seja, a B3 assegura um espaço honesto para a realização de negociações de compra e venda de ativos. Por fim, oferece transparência ao mercado e fomenta a evolução da economia do país.

Além disso, a B3 está ligada a todas as bolsas de valores brasileiras, como, por exemplo, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ). Em resumo, a B3 é uma entidade autorreguladora. Sua operação ocorre com supervisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A saber, este órgão é uma autarquia do Ministério da Economia.

 

Principal índice da bolsa brasileira

Dentro da B3 está o Ibovespa, o índice mais conhecido da bolsa brasileira. No entanto, ele não é o único, existindo, além dele, dezenas de outros. O Ibovespa figura como o principal índice da bolsa brasileira, cuja principal função consiste em calcular a média de desempenho de uma carteira com as principais ações negociadas na B3. Ou seja, é um indicador de desempenho. Assim, engloba as empresas mais importantes que fazem parte do mercado brasileiro de capitais.

O índice é o cômputo de uma carteira teórica de ativos, sendo calculado em tempo real. Portanto, os preços dos negócios realizados no mercado à vista com as ações que compõem as carteiras são considerados de maneira instantânea. Vale ressaltar que o índice é reavaliado a cada quatro meses e os papéis que o compõem correspondem a cerca de 80% do volume financeiro e da quantidade de negócios do mercado nacional de capitais.   

 

Veja origem da B3

Em suma, a B3 surgiu da fusão entre a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip) e a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa). A primeira, com origem na década de 80, possuía o objetivo de oferecer mais segurança às operações financeiras. Logo, tornou-se uma referência no mercado financeiro. Já a segunda nasceu em 2008, também através de uma fusão, entre a Bovespa Holding e a BM&F. E, após esse processo, figurou como uma das maiores empresas mundiais no ramo financeiro.

Por fim, estas gigantes promoveram uma união em 2017 e passaram a se chamar B3. Aliás, a nomenclatura vem de Brasil, Bolsa, Balcão

 

LEIA MAIS

China responde por mais de 65% do superávit do Brasil em 2020

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.