Empresas como Google e Facebook terão que seguir código de conduta na Inglaterra

Em julho deste ano o governo britânico manifestou uma profunda preocupação com o domínio que os gigantes americanos

0

Uma medida anunciada pelo governo britânico nesta sexta-feira (27) criou uma série de medidas destinadas a limitar o poder de gigantes digitais como Facebook e Google, seja no uso de dados pessoais, seja na publicidade online.

Leia também: Trump reconhece pela primeira vez possibilidade de deixar a Casa Branca

O novo código de conduta será estabelecido, sob o controle de uma nova “unidade de mercados digitais”, para “garantir que os consumidores possam escolher e que as pequenas empresas não sejam excluídas”, disse o ministro de Empresas, Alok Sharma, em um comunicado.

O ministério segue as recomendações feitas em julho deste ano pelo órgão britânico de controle da concorrência, que manifestou preocupação com o domínio dos gigantes americanos.

Facebook, Google, Instagram
Em julho deste ano o governo britânico manifestou uma profunda preocupação com o domínio que os gigantes americanos. (Foto: reprodução)

De acordo com o governo britânico, “a concentração de poder em um pequeno número de empresas digitais freia o crescimento do setor, reduz a inovação e pode ter efeitos negativos para a sociedade”.

No novo código, as empresa são obrigadas a serem mais transparentes nos serviços que prestam e na forma como utilizam os dados pessoais – os consumidores poderão escolher se querem receber publicidade personalizada online.

Facebook e Google dominam o mercado no país

Visando acabar com o monopólio publicitário, o código permitirá assegurar contratos comerciais mais justos entre os gigantes digitais e a imprensa. Isso porque o governo quer evitar que as plataformas usem sua posição dominante para impor condições financeiras desfavoráveis aos meios de comunicação.

De acordo com as autoridades, o gasto em publicidade online no Reino Unido atingiu em torno de 14 bilhões de libras (US$ 18,7 bilhões) em 2019. Deste montante, cerca de 80% são captados pelo Facebook e pelo Google. Os jornais dependem desses dois gigantes para quase 40% das visitas a seus sites.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.