Eficácia geral da Coronavac é de 50,38%, diz Instituto Butantan

Índice aponta a capacidade da vacina de evitar casos sintomáticos da Covid-19, tanto leves como graves

4

O Instituto Butantan revelou em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira (12) que a CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com a instituição, registrou 50,38% de eficácia global nos testes realizados no Brasil.

Leia também: O papel da vitamina D na prevenção da Covid-19

De acordo com o Butantan, a eficácia global aponta a capacidade da vacina de proteger em todos os casos: leves, moderados ou graves. Vale lembrar que o número mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é de 50%.

A eficácia da vacina é calculada usando um protocolo da OMS que classifica os casos da doença entre os voluntários dos testes. Na tabela, a organização separa os voluntários em 10 níveis, do não infectado pela doença (0) ao voluntário que morreu em decorrência da Covid-19.

Eficácia geral da Coronavac é de 50,38%, diz Instituto Butantan
A eficácia da vacina é calculada usando um protocolo da OMS que classifica os casos da doença entre os voluntários dos testes.

Nesse sentido, a eficácia de 78%, apresentada pelo Instituto Butantan na última semana foi calculada considerando somente casos de Covid-19 com pontuação maior ou igual a 3, comparando o grupo vacinado e o grupo que recebeu placebo, uma substância neutra.

Ou seja, explicou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, durante a coletiva desta terça, a eficácia de 78% demonstra o quanto a vacina é capaz de prevenir casos em que é confirmada a infecção pelo vírus, sintomática, e com necessidade de intervenção médica.

Já a eficácia divulgada nesta terça (12) inclui também pacientes com Covid-19 considerados independentes, ou seja, aqueles que apresentam apenas sintomas leves, sem necessidade de intervenção médica. “Essa vacina tem segurança, tem eficácia, e todos os requisitos que justificam o uso emergencial”, defendeu Dimas Covas, durante o anúncio.

Índice aponta a capacidade da vacina de evitar casos sintomáticos da Covid-19, tanto leves como grave. (Foto: reprodução)

Eficácia em casos graves 

Segundo o diretor de pesquisa do Instituto, Ricardo Palácios, os cientistas acreditam que vacina tinha que ter uma eficácia menor em casos mais leves e uma eficácia maior em casos moderados e graves. Na semana passada, o instituto revelou que a Coronavac é 100% eficaz contra os casos em que a gravidade é elevada.

“Nós conseguimos demonstrar esse efeito biológico esperado. Esta é uma vacina eficaz. Temos uma vacina que consegue controlar a pandemia através desse efeito esperado que é a diminuição da intensidade da doença clínica”, afirmou Ricardo Palácios.

Leia também: Vacinação em São Paulo pode ser antecipada

Ao todo, revelou o diretor de pesquisa Butantan, os testes foram feitos em 12.508 voluntários no país, todos profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à Covid-19, em 16 centros de pesquisa.

De acordo com ele, a vacina foi testada nesses profissionais porque eles têm uma exposição ao vírus muito maior do que a população em geral. “O teste não é a vida real exatamente. É um teste artificial, no qual selecionamos dentro das populações possíveis, selecionamos aquela população que a vacina poderia ser testada com a barra mais alta”, finalizou.

Leia Também:

4 Comentários
  1. […] sobre os pedidos de autorização para uso emergencial, temporário e experimental das vacinas do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) contra a […]

  2. […] Butantan nesta sexta-feira (15) pediu a entrega “imediata” de 6 milhões de doses da Coronavac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria […]

  3. […] ala recomendou a aprovação da CoronaVac e da vacina de Oxford, condicionada ao monitoramento de incertezas e à reavaliação periódica. A […]

  4. […] Sinovac, parceira do instituto ligado ao governo de São Paulo. O temor é que, sem o insumo, as doses da Coronavac acabem ainda neste […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.