Dólar sobe mais uma vez e inicia semana custando R$ 5,76

Fatores internos, como pandemia e cena política, pesam no pregão

1

O dólar comercial iniciou a semana mais caro. Nesta segunda (29), as preocupações em torno do avanço da pandemia da Covid-19 ajudaram a fortalecer a moeda americana. No âmbito interno, o Brasil vive o pior momento da crise sanitária. Além disso, divulgação de dados econômicos e incertezas políticas também tiveram destaque no dia.

A saber, o dólar subiu 0,44% e encerrou o dia cotado a R$ 5,7668. E essa alta só não foi maior, porque a moeda perdeu fôlego no decorrer do dia, visto que, em sua máxima, superou os R$ 5,80. Com esse resultado, a divisa acumula alta de 2,89% em março, até agora. Já em 2021, a parcial da moeda indica um salto firme de 11,17% ante o real.

A preocupação com o avanço da pandemia da Covid-19 continua fortalecendo o dólar. Isso acontece, porque a moeda americana funciona como um porto seguro, ou seja, em situações de incertezas e instabilidades, os operadores recorrem a ela.

Em resumo, no Brasil, a crise sanitária continua batendo recordes de casos e mortes quase diariamente. Os hospitais permanecem lotados, com filas enormes de pacientes esperando por um leito de enfermaria ou UTI, sem contar na escassez de insumos e equipamentos médicos. Enquanto isso, a vacinação ainda segue muito lentamente, num ritmo mais lento que o da própria pandemia.

No cenário internacional, o dólar também fica fortalecido com o endurecimento das medidas restritivas de circulação de pessoas e bloqueios para viagens, especialmente na Europa. No continente, países como Alemanha, França, Itália e Espanha continuam aplicando lockdown, seja em algumas regiões do país, seja em todo o território.

 

Veja o que mais impulsionou o dólar no dia

A questão política também repercutiu no dia, com mais uma queda de ministro. Dessa vez, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, pediu demissão nesta segunda. Aliás, segundo a TV Globo, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, também pediu demissão do cargo no dia. No entanto, o governo federal não confirmou oficialmente este pedido. De todo jeito, a instabilidade nas cadeiras do governo preocupam os operadores.

No mercado financeiro brasileiro, houve nova elevação da estimativa para a inflação neste ano, passando de 4,71% para 4,81%. De acordo com o Boletim Focus do Banco Central (BC), que divulgou os dados, os analistas financeiros elevaram a projeção para o dólar, que deve encerrar o ano cotado a R$ 5,33. Ao mesmo tempo, a previsão para o crescimento do PIB recuou novamente, de 3,22% para 3,18%.

Nesta segunda, o BC também realizou um leilão de swap tradicional. Em síntese, esta operação equivale à venda de dólares no mercado futuro. O leilão aconteceu para a rolagem de até 16 mil contratos, cujos vencimentos são de dezembro de 2021 e abril de 2022.

Por fim, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou os dados da confiança do setor de serviços. A saber, o indicador caiu mais uma vez em março, recuando para o nível mais baixo desde junho do ano passado. E isso aconteceu, principalmente, por causa da piora na situação atual e do pessimismo com os próximos meses.

 

Leia Mais: Ibovespa encerra pregão no azul, puxado por ações de exportadoras

Veja Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.