Dólar sobe 1,26% em dia marcado por interferências do governo na Petrobras

Bolsonaro indica general para ocupar cargo de presidente-executivo da estatal

1

O dólar americano registrou um avanço firme nesta segunda-feira (22) de 1,26% e está cotado a R$ 5,4548. Isso aconteceu, em grande parte, devido às interferências do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras.

Em resumo, no último dia 18, a Petrobras anunciou mais uma elevação nos preços da gasolina e do diesel. E Bolsonaro não aceitou bem este aumento, afirmando que algo iria acontecer na estatal, apesar de a mesma possuir autonomia. Assim, ele anunciou na noite da última sexta (19) a troca do presidente-executivo da Petrobras. Com isso, o general Joaquim Silva e Luna assumiria o cargo ocupado por Roberto Castello Branco desde o início do governo, em janeiro de 2019.

Dessa forma, o medo do crescimento da ingerência governamental em outras estatais predominou na sessão desta segunda. A saber, o mercado de câmbio sofre impacto direto com essas notícias, pois há uma elevação nas incertezas em relação à situação fiscal do país. A propósito, a saúde fiscal do Brasil vai mal das pernas há tempo, e só piora com os gastos extras no enfrentamento da pandemia da Covid-19. Ao mesmo tempo, os investidores estrangeiros mostram recuo na confiança sobre o Brasil, ou seja, a entrada de dólares acaba sofrendo impacto também.

 

Veja mais detalhes da disparada do dólar

Em suma, estas foram as notícias mais repercutidas no dia. Também houve alguma atenção para as novas estimativas do mercado financeiro, que elevou pela sexta semana seguida a inflação em 2021. Assim, a projeção superou o centro da meta da inflação pela primeira vez. E os investidores também continuaram direcionando suas atenções para o retorno do auxílio emergencial e a questão fiscal do país, que continua numa situação terrível. Nesse caso, o receio envolve o rompimento do teto de gastos públicos, tido como a âncora fiscal do Brasil atualmente.

 

Por fim, na parcial de fevereiro, o dólar acumula perdas de 0,28%. Aliás, bastante aplacadas com o resultado deste pregão. No entanto, o valor acumulado no ano é de valorização de 5,17% frente o real.

 

LEIA MAIS

Ibovespa sofre a maior queda diária desde a saída de Moro do governo

Bolsas asiáticas iniciam semana no vermelho

 

Leia Também:

1 comentário
  1. […] de ativos externos mais positivos e indicações de debates relacionados às reformas do Brasil. No último pregão, a divisa americana subiu 1,26%, com fortes turbulências envolvendo interferências políticas em […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.