Dólar inicia semana mais barato, cotado a R$ 5,68

Preocupações internas acabam marcado pregão, mas não derrubam moeda

0

O dólar comercial iniciou a semana em queda. Assim, a moeda americana encerrou esta segunda-feira (5) um pouco mais barata (-0,61%), cotada a R$ 5,6797. No dia, o que mais pesou no pregão foi a análise do cenário político interno, bem como as discussões envolvendo o Orçamento da União para 2021, que vem dando dor de cabeça ao mercado.

Em primeiro lugar, os mercados globais repercutiram os dados positivos divulgados pelo Departamento do Trabalho dos EUA, o payroll. De acordo co o relatório, o mês de março chegou ao fim com a criação de 916 mil novos postos de trabalho no país. Isso fez a taxa de desemprego nos EUA recuar de 6,2% para 6%. Aliás, esse é o melhor resultado mensal desde agosto do ano passado.

A propósito, muitos atribuem a expressiva quantidade de pessoas vacinadas nos Estados Unidos contra a pandemia da Covid-19. Lá, 16% da população já foi totalmente vacinada, incluindo quase 50% das pessoas com mais de 65 anos. Tudo isso graças à administração de cerca de 143 milhões de doses.

Outro ponto positivo veio dos estímulos financeiros injetados pelo governo americano na economia do país. Há algumas semanas, houve a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão para enfrentar os impactos negativos provocados pela pandemia da Covid-19. Já na última quarta (31), houve a divulgação de mais uma proposta para infraestrutura do país, no valor de US$ 2,3 trilhões, elevando os ânimos dos investidores.

Tudo isso ajudou a enfraquecer o dólar no pregão, uma vez que a possibilidade de mais moeda em circulação no mercado já eleva os ânimos dos investidores. Como há a proposta de mais um plano trilionário para ajudar a economia americana a se reerguer, os mercados veem como uma possibilidade de aumentar seus ganhos.

 

Riscos internos impulsionam, mas não salvam dólar

No cenário interno, os riscos políticos preocuparam, uma vez que os investidores continuaram a repercutir o Orçamento da União para 2021. Em suma, o texto aprovado no Congresso Nacional extrapola o teto de gastos. E, para respeitar este teto, o governo precisaria parar de prestar determinados serviços públicos. Caso haja o furo do teto, pode haver também implicação ao presidente Jair Bolsonaro de cometimento de crime de responsabilidade, a chamada pedalada fiscal.

Além disso, o agravamento da pandemia da Covid-19 no país preocupa todo o mundo. A saber, a crise sanitária continua superando recordes de casos e mortes quase diariamente. Os hospitais permanecem lotados, com filas enormes de pacientes esperando por um leito de enfermaria ou UTI, sem contar na escassez de insumos e equipamentos médicos. Enquanto isso, a vacinação segue num ritmo muito mais lento que o da própria disseminação do vírus.

 

Por fim, o mercado financeiro manteve a projeção da inflação para 2021 em 4,81%. Segundo o Boletim Focus do Banco Central (BC), que divulgou os dados, os analistas financeiros ainda elevaram a projeção para o dólar, que deve encerrar o ano cotado a R$ 5,35. Por outro lado, a previsão para o crescimento do PIB recuou novamente, de 3,18% para 3,17%.

 

Leia Mais: Dados do mercado de trabalho dos EUA fazem índices baterem recorde em NY

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.