Dólar cai nesta quinta (29) e atinge menor patamar desde 26 de janeiro

Incertezas políticas internas impedem queda mais intensa do dólar

1

O dólar comercial encerrou mais um pregão no vermelho. Nesta quinta-feira (29), a moeda americana ficou 0,41% mais barata e terminou o dia cotada a R$ 5,3370. Esse é o menor valor da divisa desde 26 de janeiro, quando fechou a sessão a R$ 5,3258.

Em resumo, os investidores continuaram de olho no exterior, especialmente nos Estados Unidos. Lá, o Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, decidiu na véspera manter a meta da taxa de juros de referência estável, entre 0% e 0,25%.

Essa decisão afeta diretamente os países emergentes, como o Brasil. Isso porque, quanto menos os juros pagos, mais liquidez pode seguir para tais economias, aumentando, consequentemente, a oferta da moeda americana nestes países. Assim, seu preço cai, pois terá mais dinheiro em circulação.

Além disso, o Departamento de Comércio dos EUA reportou nesta quinta-feira um crescimento de 6,4% da economia norte-americana no primeiro trimestre deste ano. Esses dados superaram a alta de 4,3% o crescimento registrado no trimestre anterior, de outubro a dezembro de 2020.

Em síntese, todas estas informações permaneceram enfraquecendo o dólar no dia. A saber, a divisa teve uma queda firme de 1,85% na véspera. Com o acréscimo do recuo registrado nesta quinta, o dólar passa a acumular queda de 5,16% em abril, mas ainda tem valorização na parcial de 2021, de 2,89%.

Cenário doméstico impede queda maior do dólar no dia

Em contrapartida, o pessimismo interno com a CPI da Covid-19 acabou impedindo uma queda mais intensa do dólar no dia. Em suma, a CPI está apurando as ações do governo no combate à pandemia da Covid-19, o que deixa muitos operadores atentos ao desenrolar da situação.

Aliás, os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid começaram na última terça-feira (27), e toda a tensão e expectativa em torno do que a investigação possa determinar segue afetando diretamente a moeda americana.

Leia Mais: Alphabet, dona do Google, encerra primeiro trimestre com lucro 162% maior

Veja Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.