Docência Multimídia: Relatos de um professor em tempos de pandemia.

O exercício do magistério não é uma ação individual, mas sim, um trabalho coletivo, que necessita do engajamento de toda a sociedade...

1

“Professor (a) o (a) senhor (a) sabe quando as aulas vão retornar?” Essa é uma das principais perguntas feita pelos estudantes, em algum momento durante essa pandemia. Não se trata apenas da ansiedade pelo retorno das aulas, mas de dizer indiretamente que sente falta de toda aquela rotina, do dia a dia na escola, que proporciona alegrias, decepções, afeto, indiferença, tristezas, esperanças, e uma série de outros sentimentos, que torna os espaços educacionais locais de permanente construção e transformação de sujeitos.

Nesse período de isolamento social, é difícil apontar quem não está sentindo falta da “vida normal”. Para muitas pessoas esse período atípico representou perda de renda, de emprego, de vínculos e abalo na saúde mental. Não é fácil encarar e se adequar a essa nova realidade, no começo muita gente acreditou que o isolamento fosse durar algumas semanas e que brevemente a vida voltaria a sua normalidade, mas após sete meses do primeiro caso de coronavírus na China, a realidade é que o fim da pandemia ainda é uma incógnita.

Diante do cenário de incertezas, muitos segmentos tiveram que se adequar a nova realidade, onde grande parte da população encontra-se em suas residências aguardando o fim da pandemia. É nítido o aumento de pessoas que passaram a utilizar a internet para trabalhar, interagir, ou mesmo passar o tempo, isso acabou gerando uma oferta maior nos serviços de delivery e no atendimento online. A área educacional também tem se adequado a essa nova realidade, ampliando a oferta de serviços virtuais com aulas à distância.

clique aqui

clique na imagem

Por outro lado, a ideia de ampliar o ensino remoto (educação à distância) no Brasil, tem ajudado a revelar à enorme desigualdade de acesso as novas tecnologias entre os profissionais da educação, mas principalmente entre os estudantes. O acesso aos novos recursos tecnológicos (computador, smartphone, acesso a internet…) apresenta grande discrepância, além do fato de muitos estudantes ainda conviverem com a fome, a falta de moradia, desestrutura familiar, violência, e uma série de outros desafios que se tornam barreiras ainda mais desafiadoras para a conquista de uma educação de qualidade.

Em contrapartida, têm sido prazeroso atender estudantes que acabam pedindo dicas e sugestões de estudo, buscando assim manter uma rotina, isso é formidável, pois revela uma relação de confiança e respeito com o trabalho do professor. É importante destacar que a opção de prestar um serviço online, não foi uma escolha planejada, muito pelo contrário, se tornou a única alternativa diante da realidade de isolamento social. Alguns colegas professores relatam que é totalmente diferente ministrar aulas de forma virtual, afirmando que ainda estão aprendendo a utilizar as novas tecnologias e que o contato mais próximo com os alunos faz muita falta.

Boa parte dos professores não conseguiu continuar realizando suas atividades através dos recursos digitais, por uma série de razões: falta de capacitação, estudantes sem acesso a internet, e também porque muitos professores tiveram seus contratos interrompidos durante a pandemia. Na rede privada muitas escolas ficaram descapitalizadas, a inadimplência aumentou bastante nesse período, levando muitas delas a fecharem as portas. Já na rede pública, principalmente nos municípios, professores tiveram seus contratos encerrados, e/ou tiveram redução de seus vencimentos, muitos gestores alegam que a arrecadação diminuiu e não lhes restou alternativa.

O isolamento social e todos os desafios advindos da pandemia não afetaram a todos da mesma forma, muitos professores encontraram um novo estímulo para continuar a atividade docente mesmo a distância. A timidez deu lugar à descontração, vários colegas professores passaram a postar vídeos nas redes sociais abordando o conteúdo de suas disciplinas, muitos têm feito isso de forma lúdica, descontraída e principalmente de forma prazerosa.

A pandemia não se mostrou capaz de eliminar o desejo de ensinar que muitos profissionais ainda possuem, muito pelo contrário, nesse momento de grande dificuldade para a humanidade, milhares de professores estão reacendendo em si a chama viva da docência, que impulsiona a continuar na profissão apesar dos inúmeros problemas. “É legal assistir a live do professor (a)”. O reconhecimento e o carinho dos alunos é extremamente positivo e incentivador, num momento em que a autonomia do professor na apresentação dos conteúdos nunca foi tão importante como agora.

É inegável que a pandemia trouxe vários desafios, mas com ela também surgiram inúmeras oportunidades, foi criado indiscutivelmente um ambiente para que de fato o sistema de ensino ultrapasse finalmente os muros da escola. A internet, apesar de ainda não está acessível a todos, é sem sombra de dúvidas uma excelente ferramenta de comunicação, que tem auxiliado muitos profissionais da área da educação a apresentar seu talento para um número maior de pessoas, reforçando a importância dessa profissão na construção de uma sociedade melhor.

Além dos estudantes, muitos pais ou responsáveis também passaram a acompanhar o trabalho do professor(a), pessoas de diversas idades, profissões, visões de mundo, acabaram relembrando muitas coisas do tempo da escola. São inúmeros os relatos de agradecimento, reconhecimento e valorização de uma das profissões mais antigas da sociedade.

O exercício do magistério não é uma ação individual, mas sim, um trabalho coletivo, que necessita do engajamento de toda a sociedade, é como numa lavoura que você prepara o terreno, semeia, rega e almeja colher bons frutos. Muitas vezes acaba não ocorrendo uma boa colheita, por uma série de questões, mas o trabalho com toda certeza é dignificante, nos fortalece, nos resigna e está a exigir de nós professores um constante recomeço.

Deixe seu comentário.

Abaixo segue o link de um ótimo E-book, contendo questões inéditas de atualidades.

Professor Jorman Santos:

clique aqui

1 comentário
  1. Giovane souza Diz

    Eu achei muito interessante, esse artigo porém acho que o ensino a distância deveria proporcionar a todos uma igualdade justa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.