Cruzeiro tenta driblar a crise financeira e os problemas dentro de campo

Raposa vai mal na tabela e ainda corre risco de mais punição por causa das dívidas

0

O Cruzeiro continua em situação dramática dentro de campo e, também fora dele. Além da campanha ruim na Série B do Campeonato Brasileiro, a Raposa não consegue equacionar as dívidas.

Além disso, o clube não pode contratar jogadores enquanto não acertar algumas pendências e corre até mesmo o risco de ser rebaixado para a Série C do Brasileirão do ano que vem.

Para se ter uma ideia, se quiser voltar a contratar jogadores, terá que pagar uma dívida de aproximadamente R$ 14 milhões.

O valor é por conta da compra do meia uruguaio Arrascaeta, que hoje está no Flamengo. O atleta fez parte do elenco vencedor da Raposa, mas agora a conta chegou.

Se não pagar, seguirá impedido de registrar novos atletas, dentro do regulamento da Fifa (entidade máxima do futebol).

Porém, o caso mais grave é a dívida com Denílson, em cerca de R$ 13 milhões que, se não for paga, poderá resultado com a punição do rebaixamento, independente do resultado dentro de campo.

No ano passado, quando jogou a Série B pela primeira vez, a Raposa já começou com seis pontos negativos na tabela por conta de dívidas.

Classificação

Na Série B, o time comandado pelo técnico Mozart está apenas em 14º lugar, com 11 pontos ganhos.

Assim, a equipe hoje está bem mais perto da zona de rebaixamento do que da zona de acesso.

Aliás, o Cruzeiro, que vem de empate por 3 a 3 com o Botafogo no último sábado (10), em jogo antecipado da 11ª rodada, poderá terminar essa rodada na zona de degola, dependendo dos outros resultados.

Atualmente, são apenas três pontos de vantagem sobre a Ponte Preta, que abre a zona de rebaixamento, em 17º lugar.

Enquanto isso, tem seis pontos de desvantagem para G-4 e ainda com um jogo a mais que os concorrentes da parte de cima.

O próximo jogo do Cruzeiro é apenas no próximo sábado (17), quando recebe o Cruzeiro, a partir das 16h30, no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte.

Pelo menos o técnico Mozart terá uma semana inteira livre para trabalhar com os jogadores e tentar aplicar algumas melhorias.

Leia também: Seis times brasileiros voltam a dividir atenções entre Brasileirão e Libertadores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.