Covid-19 SP: Parques da capital retomarão horário normal quando 80% da população estiver vacinada

Expectativa é que marca seja atingida nesta sexta-feira (23)

0

Os parques de São Paulo (SP) poderão voltar a funcionar no horário normal quando a cidade atingir a marca de 80% da população adulta vacinada contra a Covid-19 com pelo menos a primeira dose, conforme anúncio da prefeitura.

Segundo projeções da gestão municipal, a marca deve ser alcançada até esta sexta-feira (23), quando pessoas de 30 anos receberão a primeira dose da vacina contra a Covid-19. De acordo com o prefeito Ricardo Nunes (MDB), até o momento, 72,9% da população adulta da capital paulista tomou pelo menos uma dose do imunizante.

“Até o dia 30 do 7 [julho], a nossa Secretaria de Saúde já tem estimado que teremos mais de 90% do público elegível vacinado na cidade de São Paulo”, afirmou Nunes.

CDCs retomarão horário normal com 80% da população vacinada

Além dos parques municipais, os centros esportivos e o novo Vale do Anhangabaú, ainda sem data de inauguração, retomarão o horário normal quando a marca de 80% for atingida.

“A prefeitura de São Paulo informa que o índice de 80% da população elegível deve ser atingido ainda nesta semana. Além do Vale do Anhangabaú e dos parques municipais voltarão ao horário normal, respeitando as regras do Plano São Paulo, os CDCs e Centros Esportivos”, diz a nota.

O horário de funcionamento varia de acordo com cada parque do município. No momento, por conta da pandemia, os portões ficam abertos até às 18h. Antes das restrições de circulação para conter o avanço da Covid-19, o parque mais movimentado de São Paulo, o Ibirapuera, por exemplo, funcionava até às 23h59.

Já os 241 Centros Esportivos e Clubes da Comunidade (CDCs), que hoje fecham as portas às 18h, poderão voltar a funcionar até às 20h.

Especialista alerta sobre presença da variante Delta

Apesar de a prefeitura de São Paulo (SP) utilizar a primeira dose como critério para ampliar o horário de funcionamento de serviços não essenciais, especialistas, como a pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz, Margareth Dalcolmo, alertam que, devido à presença da variante Delta no Brasil, as medidas restritivas não devem ser abandonadas conforme a vacinação contra a Covid-19 avança no país.

A imunização só está completa com ambas as doses ou com a dose única do imunizante da Janssen.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.