Covid-19: infectados têm cinco meses de imunidade

O trabalho alerta, no entanto, que há evidências de que pessoas imunizadas podem contrair o vírus assintomaticamente e contribuir para sua disseminação

0

Um estudo publicado nesta quinta-feira (14) pela agência de saúde pública britânica Public Health England revelou que a maioria dos profissionais de saúde que contraíram a Covid-19 estão protegidos contra uma nova infecção por um período de pelo menos cinco meses. No entanto, o trabalho alerta de que há evidências de que pessoas imunizadas podem contrair o vírus assintomaticamente e contribuir para sua disseminação.

Leia também: Cientistas da OMS chegam a Wuhan para investigar as origens do coronavírus

Segundo a pesquisa, 44 pessoas teriam sido reinfectadas com o vírus de 6.614 trabalhadores do setor de saúde que apresentaram anticorpos no decorrer de um período de cinco meses entre junho e novembro de 2020.

Isso representa uma proteção de 83% em relação aos trabalhadores que não foram expostos ao Sars-CoV-2, conclui o estudo, que ainda não foi revisado por pesquisadores independentes.

O estudo mostrou que alguns participantes, embora tivessem anticorpos para evitar o adoecimento devido a Covid-19, carregaram o vírus assintomaticamente em suas vias aéreas em quantidades que possibilitam sua transmissão para outras pessoas.

Esse cenário reforça a necessidade de respeitar o isolamento social e medidas de higiene pessoal, além do uso de máscaras, mesmo se já tiver contraído o vírus anteriormente.

“Agora sabemos que grande parte das pessoas que tiveram o vírus e geraram anticorpos estão protegidas contra reinfecção, mas essa proteção não é completa e ainda não sabemos quanto tempo dura. E, o mais importante, acreditamos que as pessoas podem continuar a transmitir o vírus”, afirmou a autora principal do estudo, Susan Hopkins.

Ainda de acordo com a pesquisadora, é improvável que casos de reinfecção levem a casos severos. No entanto, ainda há o risco de contrair o vírus e transmiti-lo para os outros. Por fim, o trabalho reforça que quem contraiu a Covid-19 na primeira onda da doença, no início de 2020, está novamente vulnerável ao vírus.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.