Covid-19: Governo afirma que gastou R$ 23 milhões para divulgar tratamento precoce

O dinheiro gasto com propaganda do tratamento precoce daria para comprar 456.718 doses da vacina, o suficiente para imunizar cerca de 228 mil pessoas

0

Informações divulgadas pela “Rede Globo” nesta sexta-feira (11) revelam que o Ministério da Saúde enviou um documento à CPI da Covid-19 dizendo que o governo informou à Procuradoria da República no Distrito Federal que foram gastos R$ 23,3 milhões com campanhas de divulgação do chamado tratamento precoce contra o vírus.

Covid-19: CoronaVac é eficaz em crianças acima de 3 anos, segundo testes realizados na China

De acordo com a matéria, os dados foram enviados por conta de uma apuração preliminar do Ministério Público (MP) sobre supostos atos de improbidade administrativa cometidos pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o governo pagou US$ 10 (R$ 51,20) por dose da vacina da Pfizer. Sendo assim, o dinheiro gasto com propaganda do tratamento precoce daria para comprar 456.718 doses da vacina, o suficiente para imunizar cerca de 228 mil pessoas.

Na noite desta sexta (11), o Ministério da Saúde emitiu uma nota afirmando que não veiculou propaganda sobre tratamento precoce. “Foi realizada uma campanha sobre tratamento imediato para orientar a população a procurar uma unidade de saúde ao sentir os primeiros sintomas da Covid-19”, disse a pasta. Em outro trecho da nota, a pasta afirma que deve-se ler “atendimento imediato” em vez de “tratamento imediato”.

Cloroquina - amb - hidroxicloroquina
O dinheiro gasto com propaganda do tratamento precoce daria para comprar 456.718 doses da vacina, o suficiente para imunizar cerca de 228 mil pessoas. (Foto: reprodução)

Ainda de acordo com o documento divulgado pela “TV Globo”, os dados revelam que o governo gastou R$ 52 mil em passagens e diárias com os médicos que viajaram para Manaus, no Amazonas, a fim de difundir a cloroquina, remédio ineficaz contra a Covid-19, de acordo com especialistas.

Por fim, o documento ainda relata que outras pastas também receberam dinheiro, sendo elas:

  • Assessoria de Comunicação Social da pasta gastou R$ 3,4 milhões pela propaganda do tratamento precoce;
  • E a Secretaria de Comunicação da Presidência, R$ 19,9 milhões, totalizando R$ 23.383.984,60.

No documento, não há data especificando quando e nem para quais campanhas as quantias foram encaminhadas para a difusão do tratamento precoce contra a Covid-19, que acontece por meio do uso de medicamentos como cloroquina e ivermectina, remédios defendidos exaustivamente pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ineficazes de acordo com estudos científicos.

Leia também: CPI da Covid: ‘Cloroquina só funciona no tubo de ensaio’, diz Natalia Pasternack

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.