Covid-19: Anvisa cancela autorização de spray israelense contra o vírus

A fabricante do spray promete que o produto cria uma "barreira" contra a Covid-19. Todavia, a Anvisa afirma que não foram apresentados estudos que comprovassem isso

0

Uma das recentes esperanças para o combate à Covid-19, o famoso spray nasal que se diz eficaz contra o vírus não chegará ao Brasil. Isso porque, nesta quarta-feira (19), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou a autorização de notificação que permitia a importação do produto.

De acordo com a Anvisa, a decisão de revogar a autorização aconteceu porque não foram apresentados estudos clínicos que comprovassem a eficácia do medicamento chamado Taffix, que é produzido pela empresa israelense Nasuspharma, mas seria importado e distribuído no país pela Belcher Farmacêutica, uma companhia do Paraná.

No site da Belcher já constam informações sobre o produto. De acordo com a empresa, o spray nasal não é um medicamento. Nesse sentido, relata a farmacêutica, o produto serve para “auxiliar na proteção” contra a Covid-19, pois, conforme a companhia, o produto é capaz de criar uma “barreira” antiviral.

“Trata-se de um spray nasal em pó que se transforma em um gel na cavidade nasal e cria uma barreira ativa para proteger e desativar os vírus frequentemente encontrados e transportados pelo ar”, explica a empresa.

Faltam estudos, diz a Anvisa

No papel, a empresa afirma que o produtor promove uma “barreira” viral. No entanto, em nota, a Anvisa relatou que, depois de ter concedido a chamada autorização de notificação, as empresas envolvidas no caso não enviaram nenhum estudo clínico que comprovasse, de fato, que o spray é eficaz contra a Covid-19.

Ainda conforme a agência, essa autorização de notificação é o trâmite adotado para produtos de saúde que, apesar de importados, não precisam de um registro. “O regime de notificação dispensa análise técnica prévia para a regularização do produto”, explicou a Anvisa, completando que essa autorização pode ser revogada.

“Essa autorização pode ser revogada a qualquer momento pela agência quando a empresa responsável deixa de dar cumprimento de critérios e requisitos técnicos dos produtos”, detalhou, que publicou a revogação dessa autorização nesta quarta no Diário Oficial da União (DOU).

Leia também: Covid-19: Internações de menores de 18 anos em UTI sobem 61% em São Paulo, diz Doria

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.