Coronavírus: presidiário mineiro integrante do grupo de risco morre em MG

Ele tinha sido mandado ao presídio há pouco mais de uma semana

0

Minas Gerais têm enfrentado numerosos casos de COVID-19, inclusive em seu sistema prisional. Isso porque foi relatada mais uma morte de presidiário por causa da doença e, nesse caso, a vítima fazia parte do grupo de risco por já ter quase 80 anos.

Pedro Vitoriano de Souza estava em prisão preventiva e tinha chegado ao presídio da Gameleira há pouco mais de uma semana. No momento da sua entrada no complexo, ele aparentava estar bem, mas demorou apenas alguns dias para que ele começasse a apresentar os sintomas do coronavírus.

De acordo com o departamento penitenciário e com a Secretaria de Justiça de Minas Gerais, os companheiros que estavam mais próximos a Pedro Vitoriano de Souza estão sendo avaliados e não se encontram junto aos demais presidiários.

Não há informação se há mais contagiados no presídio da Gameleira, mas não existe ninguém que tenha manifestado sintomas desde Pedro Vitoriano.

Complexos penitenciários tiveram mudança em seu funcionamento para evitar surto

Desde que o surto de COVID-19 se iniciou, familiares não podem mais fazer visitas aos detentos a fim de evitar que o vírus entre no complexo penitenciário, onde ele se alastraria com muita facilidade. Afinal, os detentos dividem celas e torna-se mais fácil de uma pessoa contaminada transmitir a doença aos demais até que a situação seja incontrolável.

A exceção é para os advogados: todos os detentos continuam podendo receber visitas dos seus representantes legais.

Além disso, os presídios foram orientados a manter uma área de isolamento para que os eventuais presos infectados pelo novo coronavírus sejam colocados lá. Cada complexo penitenciário tem a sua equipe de saúde que está acompanhando diariamente tanto os detentos que têm coronavírus (321 em Minas Gerais), quanto os saudáveis.

Enquanto os presidiários têm quadro leve de COVID-19, as equipes dos próprios presídios têm condições de ministrar o tratamento. Porém, podem ser feitas transferências a qualquer momento, quando o quadro do detento se agrava e foi isso que aconteceu com Pedro Vitoriano, inclusive.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.