CoronaVac: Anvisa aprova vacina para crianças e adolescentes

Segundo a Anvisa, a vacina usada será a mesma utilizada em adultos, ou seja, sem a adaptação para uma versão pediátrica

0

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou nesta quinta-feira (20) que a vacina CoronaVac seja utilizada em crianças e adolescentes entre seis e 17 anos na luta contra a Covid-19. A entidade, todavia, vetou que o imunizante seja utilizado em pessoas com baixa imunidade.

De acordo com a agência, a decisão foi unânime, isto é, todos os cinco diretores que participaram da votação analisaram e atestaram positivamente o pedido feito pelo Instituto Butantan, que buscava inicialmente a liberação para que a vacina fosse aplicada em crianças a partir de três anos – os diretores afirmam que são necessários mais estudos para tal liberação e, por isso, optaram por liberar a imunização nos menores a partir de seis anos.

Essa não foi a primeira vez que o Butantan pediu para que o imunizante fosse liberado para crianças e adolescentes. A primeira solicitação aconteceu em julho do ano passado, mas, diferentemente de agora, na ocasião, a Anvisa vetou o pedido, alegando que os documentos apresentados à época eram insuficientes para tal aprovação.

Por conta disso, em dezembro de 2021, o instituto voltou a fazer o pedido, mas, desta fez, apresentou mais de dez estudos e organizou uma série de reuniões com os diretores da Anvisa para tratar sobre o tema. Com a aprovação, o Brasil se juntará a outros sete países que já aplicam a Coronavac em suas crianças, sendo eles:

  • Camboja;
  • Chile;
  • China;
  • Colômbia;
  • Equador;
  • Hong Kong;
  • Indonésia.

Regras para a aplicação da Coronavac em crianças e adolescentes

Para a aprovação da Coronavac nas crianças e adolescentes de seis a 17 anos, a Anvisa estabeleceu algumas regras, como a que veda que o imunizante seja aplicado em imunossuprimidos, que são pessoas com baixa imunidade. Além disso, a entidade também estabeleceu que a aplicação está liberada para público com comorbidades – doenças ou condições prévias que agravam a Covid-19.

Por fim, além de estabelecer que a imunização será em duas doses aplicadas em intervalo de 28 dias, a agência também deixou claro que a vacina usada será a mesma utilizada em adultos, ou seja, sem a adaptação para uma versão pediátrica, algo diferente do que acontece com a Pfizer, que hoje é o único imunizante aplicado neste público.

Leia também: Anvisa adia aprovação do autoteste de Covid-19 e pede informações ao Ministério da Saúde

5/5 - (1 vote)

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.