Contaminação em turistas cresce 142% em SC

Após as festas de Natal e o Ano-Novo, número de pessoas infectadas que não moram no Estado teve crescimento exorbitante.

0

A quantidade de turistas contaminados com a Covid-19 cresceu significativamente em Santa Catarina. Eventualmente, o registro desses casos aconteceu após as festas de Natal e Ano Novo. Do dia 24 de dezembro de 2020 até esta segunda-feira (11), os casos de pessoas que estavam à passeio mas não moravam na cidade esteve em alta. A porcentagem é de 142%, indo de 291 para 706 pacientes.

Turistas contaminados e contaminando

Como se não bastasse o crescimento dos casos de Covid-19 em moradores, o número de turistas infectados e, portanto, infectando, também preocupa.

Ainda não é possível afirmar se essas pessoas se contaminaram em Santa Catarina ou se já chegaram no estado com a doença.

Todavia, de acordo com o balanço da segunda-feira (11), existem cerca de 19,1 mil casos ativos do novo corona vírus em SC. Neste momento, os pacientes de outros estados representam um percentual de 4% dessa conta. Dados do Diário Catarinense. A base das informações vem da Secretaria do Estado de Saúde (SES).

O período de detecção mostra que as contaminações são das festas de fim de ano

A velocidade de contaminação prova que o vírus se proliferou nas festas de fim de ano, já que em uma semana o número passou de 15 mil para 19 mil casos. Tendo em vista que o tempo médio para apresentar o sintomas da doença é entre cinco e oito dias após a contaminação.

Geralmente, é apenas na segunda semana de contaminação pela Covid-19 que as pessoas apresentam os sintomas e procuram os médicos, ou, fazem exames. Portanto, são os casos ativos que são confirmados na maior parte das vezes, logo, se há agravamentos, as ocupações de leitos em enfermarias e UTIs começam a refletir tudo isso.

“É muito pouco provável que alguma pessoa comece com sintoma grave já no início do quadro. O agravamento vai acontecer na fase inflamatória da doença, geralmente na segunda semana” – Aroldo de Carvalho, infectologista e coordenador do curso de Medicina na USP.

Fonte: NCS.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.