Confiança da Indústria cai 3,6 pontos em janeiro de 2021

0

O Índice de Confiança da Indústria medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) teve, em janeiro deste ano, sua primeira queda depois de oito meses de alta. Com isso, o indicador recuou 3,6 pontos em relação a dezembro de 2020. Logo, chegou a 111,3 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos. O dado foi divulgado hoje (28) pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e publicado pela Agência Brasil.

Sendo assim, empresários de 14 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram queda da confiança. Além disso, o Índice da Situação Atual, que mede a confiança no presente, teve queda de 3,6 pontos e chegou a 116,3 pontos.

Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, recuou 3,3 pontos e atingiu 106,3 pontos.

Saiba mais sobre o Índice de Confiança da Indústria

“Antes de mais nada, o resultado é reflexo de uma percepção menos favorável dos empresários sobre a situação atual dos negócios e perspectivas menos otimistas para a produção prevista para os próximos três meses. Logo, isso parece estar relacionada com o fim dos benefícios emergenciais e avanço da pandemia no país. Apesar disso, a indústria segue ainda em patamar alto em termos históricos, se destacando entre os demais setores econômicos”, disse a pesquisadora da FGV Viviane Seda Bittencourt.

Além disso, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada avançou 0,6 ponto percentual, para 79,9%. Portanto, esse é o maior valor observado desde novembro de 2014 (80,3%).

Para os empreendedores, o Índice de Confiança da Indústria reflete os receios de investimento no país. Dessa forma, assegurar linhas de crédito e definir estratégias para manter o lucro fixo são alternativas para fugir dos aspectos econômicos negativos da pandemia.

Restou alguma dúvida sobre o tema? Então deixe seu comentário no espaço abaixo! Além disso, aproveite também para compartilhar o artigo em todas as suas páginas nas redes sociais. Até a próxima!

Veja mais:

FGV também aponta crescimento da confiança na indústria

Confiança do comércio sobe pela quarta vez seguida

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.