Com aviões, Argentina diz ter conseguido reduzir nuvem de gafanhotos

Nuvem ainda existe, mas ataque químico com aviões parece ter ajudado a diminuir a intensidade da praga no país vizinho

1

Em uma nova atualização, a Argentina informou que conseguiu reduzir a intensidade da nuvem de gafanhotos em seu território. De acordo com as autoridades agrícolas, isso só foi possível por causa de um ataque químico com a ajuda de aviões.

No boletim anterior, os argentinos afirmaram que as chuvas fortes na região onde está a nuvem dificultaram o trabalho da equipe de controle. Ao mesmo tempo, essa mesma chuva teria impedido que a nuvem se deslocasse com mais velocidade.

Isso, portanto, acabou dando tempo para os cientistas do país. A última atualização foi dada ainda na tarde desta quinta-feira (2). É uma espécie de relatório diário que está sendo divulgado pelo Serviço de Sanidade e Qualidade Alimentar da Argentina (Senasa).

De acordo com a Senasa, essa aplicação química teve um resultado “satisfatório”. A aplicação durou 45 minutos e tentou cobrir toda a área onde os insetos estão “instalados”. Nesta sexta-feira (3), esta atualização dá conta de que a praga está em uma região conhecida como Estância San José.

Aviões contra praga

A Estância San José fica dentro da cidade de Paraje El Descanso, na província de Corrientes. De acordo com esta atualização, os insetos já estão nesta área há alguns dias e não saíram de lá. Recentemente, os argentinos afirmaram que a nuvem está distanciando do Brasil.

Nesta sexta-feira (3), os técnicos vão voltar ao local para mais uma tentativa de aplicação de produtos químicos com o uso de aviões. A expectativa é que esse novo ataque faça a nuvem diminuir ainda mais.

1 comentário
  1. […] este tempo deverá seguir assim até, pelo menos, a próxima quinta-feira (23). Recentemente, a Argentina informou que conseguiu diminuir o tamanho da nuvem com o uso de agrotóxicos em ataques …. Não se sabe, porém, se essa diminuição seguiu uma […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.