Carla Zambelli sobre ação de Doria: apresentaremos PL

Deputada indicou que protocolará Projeto de Lei para atender anseios da população.

0

A deputada federal Carla Zambelli (PSL), eleita por São Paulo, fez no último sábado (17) uso de seu perfil oficial na rede social Twitter para comentar o anúncio feito pelo governador João Doria (DEM) de que a vacinação no estado de São Paulo será obrigatória.

Carla Zambelli escreveu: “Seguindo os anseios da população e tendo em vista a ideia ditatorial do João Doria de obrigar as pessoas a tomarem a vacina chinesa, apresentaremos PL tornando crime a adoção de medidas por autoridade do poder executivo que suprima os direitos previstos no art. 15 do Código Civil?”.

Zambelli citou também o texto do Artigo 15 do Código Civil: “Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica”.

Ainda em sequência, a deputada afirmou: “Obrigar uma pessoa a tomar vacinas pq acha que a isenção ao medicamento vai prejudicar quem tomou a vacina, já parte do pressuposto de que a vacina não é eficaz. Simples assim”.

As críticas de Zambelli referem-se ao que foi dito pelo governador do estado de São Paulo, João Doria, em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista: “Não faz sentido vacinar alguns e não vacinar outros”, assegurando que medidas legais seriam tomadas “se houver contrariedade nesse sentido”.

Imunização até o mês de março

Na última quarta (14) João Doria concedeu entrevista à emissora Band, indicando que caso a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) se dê dentro do esperado, a população de São Paulo será vacinada até o mês de março do próximo ano.

A imunização começará pelos médicos e profissionais da saúde (médicos e enfermeiros), professores e servidores da rede pública e privada de ensino, os alunos das duas redes, pessoas com morbidades, idosos e os envolvidos com atendimento ao grande público: policias militares, civis, os profissionais que atuam em ônibus e em metrôs.

Sobre a vacina, Doria afirmou: “CoronaVac está na sua última semana de testagem aqui no Brasil, como 13 mil voluntários em sete estados brasileiros, todos médicos e enfermeiros. Até o presente momento, nenhuma intercorrência, nenhuma colateralidade que possa colocar em risco a vacina nessa última etapa da testagem”.

O governador afirmou que no mês de outubro chegarão cinco milhões de doses da vacina e no mês de dezembro outras 46 milhões de doses da CoronaVac, que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Repercussão

Além das críticas feitas pelos internautas, que levantaram a #VachinaNão, na rede social Twitter, as afirmações feitas por João Doria repercutiu negativamente entre parlamentares.

O deputado federal do Partido Social Liberal (PSL), Luiz Philippe de Orleans e Bragança, que eleito por São Paulo, escreveu: “Como cidadão paulistano não aceitarei essa decisão tirana. O governo não tem o direito de cercear a escolha de qual vacina quero tomar ou não. É um direito meu e de todos Paulistas”.

Quem também comentou a decisão foi o ex- Ministro da Educação, Abraham Weintraub, que escreveu: “A LIBERDADE ACABOU! Vacina OBRIGATÓRIA para TODOS os 45 milhões de Paulistas! Além de nos ameaçar, como se ele fosse o dono de um bando de cães, esse cara quer vacinar na marra crianças e bebês! SEUS FILHOS E NETOS! Na marra! ARROGANTE!”.

Leia mais: Carla Zambelli comenta escolha de Kassio Nunes para o STF

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.