Caminhoneiros se dividem sobre nova greve em fevereiro

Parte dos caminhoneiros quer parar já no dia 1 de fevereiro, mas outra parte não quer mais fazer isso. Ministério monitora

1

Caminhoneiros do Brasil inteiro estão discutindo neste momento a possibilidade de uma nova paralisação nacional. Essa nova greve seria no dia 1 de fevereiro. Mas há uma divisão clara entre dois grupos. Uma parte quer a greve e a outra não quer.

Em entrevista para o jornal Folha de São Paulo, um parte desses trabalhadores afirmaram que a reclamação gira em torno de dois pontos. O primeiro é a política de reajustes do custo do combustível que a Petrobras pratica atualmente.

O segundo é a paralisação do julgamento do preço da tabela do frete no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesse caso, os trabalhadores pedem que o Supremo retome o julgamento e vote a favor daquilo que eles desejam.

Sobre esses dois pontos, aparentemente a grande maioria dos caminhoneiros querem mudança. Mas quando se fala em greve há uma clara divisão em dois grupos. O grupo que quer a greve já marcou a paralisação para o primeiro dia de fevereiro.

Já o grupo que não quer a greve está fazendo campanha nas redes sociais para que ninguém pare. Há portanto uma clara falta de articulação entre a classe neste momento. De um certo modo, isso é tudo o que o Governo Federal poderia querer agora.

Greve dos caminhoneiros

O Ministério da Infraestrutura está monitorando toda a situação de perto. Eles estão tentando evitar  a repetição daquilo que aconteceu em maio de 2018. Na ocasião, os caminhoneiros formaram uma grande unidade pela grave e, de fato, pararam o Brasil.

O objetivo do governo agora é ficar atento para que essa gestão não seja pega de surpresa como a gestão Temer foi. Seja como for, internamente, informações de bastidores apontam que o Ministério acredita que, até este momento pelo menos, a adesão à greve está muito baixa.

Leia Também:

1 comentário
  1. […] O Governo Federal estaria trabalhando nos bastidores para priorizar caminhoneiros na vacinação contra a Covid-19 no Brasil. A ideia é que essa priorização poderia evitar uma possível greve dos caminhoneiros já no próximo mês de fevereiro. […]

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.