Brasil lidera ranking de JUROS REAIS mais elevados do mundo

País ocupa a liderança mundial desde maio; ranking desconta inflação projetada para os próximos 12 meses

0

Nesta quarta-feira (3), o Banco Central elevou pela 12ª vez consecutiva a taxa básica de juro da economia brasileira, para 13,75% ao ano. Com isso, o Brasil permaneceu na liderança do ranking mundial dos juros reais, ou seja, lista que desconta a inflação projetada para os próximos 12 meses.

A saber, os juros reais no país chegaram a 8,10% ao ano após a mais nova alta da Selic. Pelo menos é o que aponta o levantamento compilado pelo MoneYou e pela Infinity Asset Management. Aliás, o levantamento engloba 40 países, incluindo Estados Unidos, China, Japão e Alemanha, maiores economias do planeta.

  1. Brasil: 8,52%;
  2. México: 4,20%;
  3. Hungria: 3,50%;
  4. Colômbia: 3,18%;
  5. Indonésia: 2,20%;
  6. Chile: 1,79%;
  7. Filipinas: 1,36%;
  8. África do Sul: 1,07%;
  9. Hong Kong: 0,85%;
  10. Índia: 0,66%;
  11. Argentina: 0,57%
  12. Malásia: 0,33%.

Todos os demais países do levantamento apresentaram taxas negativas de juros reais. A propósito, a Bélgica ficou na última posição, com um juro real negativo de 7,09%. Grécia (-6,92%), Holanda (-6,70%), Espanha (-6,49%), Alemanha (-6,19%) e Itália (-5,70%) também tiveram taxas negativas intensas.

Entre as maiores economias do planeta, a China teve uma taxa de juros levemente negativa (-0,30%), ocupando a 13ª posição. Por sua vez, o Japão ficou em 17º lugar (-1,39%), enquanto os Estados Unidos tiveram a 25ª maior taxa (-3,25%).

AUXÍLIO BRASIL: como novos beneficiários irão acessar o valor?

Brasil fica na terceira posição no ranking de juros nominais

Além disso, o levantamento também revelou as taxas de juros nominais entre os 40 países. Isso quer dizer que o ranking se refere ao valor nominal dos juros, sem descontar a inflação.

Em suma, o Brasil ficou em terceiro lugar, com a taxa de 13,75%. Nesse caso, a Argentina liderou o ranking, com a taxa básica de juro da economia atingindo expressivos 60,00% ao ano.

A saber, a Argentina vem tentando sair de uma recessão econômica desde 2018. No ano passado, a inflação disparou 50,9% no país, uma das maiores taxas do mundo. E isso explica o motivo de os juros estarem tão elevados e, mesmo assim, o país ter uma taxa bem tímida em relação ao juro real.

O top cinco nos juros nominais ainda traz a Turquia (14,00%), em segundo lugar, e a Hungria (10,75%) e o Chile (9,75%), em quarto e quinto lugares, respectivamente. Entre as maiores economias globais, destacam-se a China (4,35%, em 13º lugar), Reino Unido (1,25%, em 25º) e Estados Unidos (1,00%, em 27º).

Por fim, apenas três países tiveram taxas negativas: Japão (-0,10%), Dinamarca (-0,10%) e Suíça (-0,75%).

Leia também: POUPANÇA: veja quanto está rendendo com a nova alta da SELIC

Avalie o Artigo:

Sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.