Bragantino tem o melhor ataque do Brasileirão até agora

Equipe paulista já marcou 20 gols em dez jogos, média de dois por partida

0

Com 20 gols marcados até agora, o Red Bull Bragantino tem o melhor ataque do Campeonato Brasileiro, após dez rodadas disputadas.

Assim, o time comandado pelo técnico Maurício Barbiéri tem média de dois gols por partida.

E nem mesmo o inesperado empate em casa por 1 a 1 contra o Cuiabá na última rodada afetou o bom desempenho ofensivo do time.

Além disso, o time de Bragança Paulista é o único que ainda está invicto dentro da competição nacional.

Turbinado pelo dinheiro da fabricante de energéticos, que também está acostumada a administrar outras equipes de futebol no mundo e até uma equipe de Fórmula 1, o clube quer seguir firme na briga pelo título.

O empate contra o Cuiabá tirou o Braga da liderança, que agora é dividida com o Palmeiras.

Atualmente, ambos estão com 22 pontos ganhos.

Vice-campeão brasileiro em 1991, quando era comandado pelo técnico Carlos Alberto Parreira e nem sonhava com uma parceria milionária dessas, o Bragantino agora quer superar o feito daquele ano.

Agora, no próximo sábado, o Bragantino tem mais uma prova de fogo, quando visita o terceiro colocado Athletico Paranaense, a partir das 17h, na Arena da Baixada, em Curitiba.

Trata-se de outro time que faz boa campanha e tem três pontos a menos. Ou seja, é mais um concorrente direto.

Balanço

O que tem incomodado o Bragantino apenas é o desempenho em casa, onde acumula o segundo empate consecutivo.

Fora, já venceu Corinthians, Palmeiras e São Paulo, por exemplo.

Nem mesmo o técnico Maurício Barbiéri tem uma explicação. “Não sei a razão desse histórico em casa. Evidentemente, se soubéssemos já teríamos tentado atacar o problema”, disse.

“Mas é uma coisa que, realmente, temos que solucionar. Não vou falar dos outros jogos porque já falamos em outras oportunidades”, afirmou o treinador em entrevista coletiva.

“Mas no jogo de hoje (quarta), em especial, a gente mais uma vez não conseguiu imprimir o ritmo e a intensidade que são característicos, embora a gente tenha conseguido sair na frente, não fomos capazes de sustentar esse resultado”, disse Barbiéri.

Leia também: Internacional despenca e temor da zona do rebaixamento já é realidade

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.