Bolsonaro diz que não tomará vacina contra a Covid-19

"Eu já tive o vírus. Eu já tenho anticorpos. Para que tomar vacina de novo?", disse o presidente; especialistas recomendam que quem já teve a Covid-19 seja vacinado

5

São 716 dias de Jair Bolsonaro (Sem Partido) à frente da presidência da república e o mais difícil, com toda a certeza, é encontrar algum dia em que o chefe do executivo não polemizou. Desta vez, poucas horas após o Supremo Tribunal Federal decidir a obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19, Bolsonaro revelou que não se imunizará.

Leia também: Butantan pode oferecer até 100 milhões de doses da Coronavac para o governo federa

Na declaração, feita nesta quinta-feira (17), em Porto Seguro (BA), após assinar duas medidas provisórias para renegociação de dívidas, o presidente ainda chamou de “idiota” quem o vê como mau exemplo por não querer tomar a vacina.

“Alguns falam que eu estou dando um péssimo exemplo. Ou é imbecil, ou idiota quem está dizendo que eu dou péssimo exemplo. Eu já tive o vírus. Eu já tenho anticorpos. Para que tomar vacina de novo?”, disse o presidente.

Bolsonaro diz que não tomará vacina contra a Covid-19
“Eu já tive o vírus. Eu já tenho anticorpos. Para que tomar vacina de novo?”, disse o presidente.

A declaração vai de encontro com a da pediatra Mônica Levi, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). De acordo com ela, a recomendação é vacinar independente de ter histórico da doença ou não. “Não há estudo sobre o tempo de imunidade. Isto é, não se sabe durante quanto tempo a pessoa já infectada conseguirá manter uma proteção natural contra o vírus “, explica.

Bolsonaro critica obrigatoriedade da vacina

Durante o discurso, Bolsonaro novamente ressaltou que a vacina não pode ser obrigatória e que, na opinião dele, a pessoa tem direito de decidir se quer ou não receber tratamentos médicos.

“Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina. […] Se o cara não quiser ser tratado, que não seja. Não quero fazer quimioterapia e vou morrer, problema é meu”, afirmou.

“Nós estamos mexendo com vidas. Cadê nossa liberdade? Aqui é democracia. Não é Venezuela, não é Cuba.”

Avalie o Artigo:
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.