Banco do Brasil fecha segundo trimestre com lucro líquido de R$ 3,2 bi

No entanto, na comparação com o mesmo período de 2019, houve queda de 23,7%; Banco do Brasil teve lucro líquido de R$ 6,413 no primeiro semestre

0

Nesta quarta-feira (6), o Banco do Brasil (BB) divulgou que teve lucro líquido de R$ 3,2 bilhões no segundo trimestre deste ano. Contudo, o resultado é 23,7% menor do o mesmo período de 2019, quando teve lucro de R$ 4,2 bilhões.

No primeiro semestre, o lucro líquido somou R$ 6,413 bilhões, uma queda de 21,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Já o lucro líquido ajustado, que exclui itens extraordinários, chegou a R$ 6,7 bilhões no primeiro semestre, 22,7% a menos que o mesmo período de 2019. Somente entre abril e junho, o valor foi de R$ 3,3 bilhões. Na comparação anual, houve queda de 25,3%.

O BB informou que, no primeiro semestre, realizou antecipação prudencial em suas provisões de crédito, que resultou em reforço de R$ 4 bilhões. De acordo com o BB, o resultado foi influenciado, principalmente, “pela resiliência da margem financeira bruta, pressão nas receitas com prestação de serviços, diminuição das despesas com risco legal e aumento da PCLD (Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa)”. As despesas totais com provisões para créditos de liquidação duvidosa atingiram R$ 5,907 bilhões no segundo trimestre. Houve alta de 42,4% na comparação anual e de 51,8% no semestre.

Queda do lucro líquido do Banco do Brasil

Nesse sentido, o Banco do Brasil disse que, apesar da queda do lucro, a geração de negócios permaneceu forte. O principal motivo foi “crescimento da carteira de crédito com um mix adequado, o controle de gastos e a redução de despesas com risco legal”.

Além disso, segundo o BB, os efeitos da pandemia sobre a economia implicaram na redução da demanda por produtos e serviços. Isto impactou as receitas com prestação de serviços, tanto na comparação trimestral quanto na semestral. As receitas de tarifa e prestação de serviços caíram 6,4% na comparação anual, a R$ 6,9657 bilhões no trimestre. Já as despesas administrativas totalizaram R$ 7,850 bilhões, uma alta de 2,6%.

“Mesmo diante desse cenário, na comparação semestral [primeiro semestre deste ano contra igual período de 2019], os segmentos de administração de fundos, seguros, previdência e capitalização e consórcios apresentaram bom desempenho, fruto da oferta qualificada de produtos e serviços, inclusive nos meios digitais. Na comparação trimestral [segundo trimestre contra o primeiro deste ano], destaque para as receitas com mercado de capitais, que tiveram crescimento de 49,9%, explicado pela retomada gradual desse mercado onde a estratégia de atuação do BB permanece forte”, relatou o banco.

Fique por dentro de todas as notícias sobre Economia aqui no Brasil123.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.