Auxílio Brasil de R$ 600 em 2023 poderá ser bancado por super ricos

Ministro da Economia defende reforma da tabela do Imposto de Renda e afirma que governo pensa em taxar dividendos de super ricos

0

Milhões de brasileiros vão receber o Auxílio Brasil no valor de R$ 600 a partir deste mês. O governo federal irá pagar cinco parcelas do benefício turbinado, até dezembro. No entanto, não há nenhuma notícia oficial sobre o pagamento do mesmo valor em 2023.

Na verdade, o auxílio voltará para os R$ 400 em janeiro do ano que vem, pelo menos a princípio. Contudo, esse não é o desejo do presidente Jair Bolsonaro, que já disse várias vezes que pretende manter o benefício em R$ 600 no próximo ano.

Fortalecendo esse coro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que existe a possibilidade de manter o auxílio turbinado de maneira permanente. Em resumo, ele disse que o governo federal vem pensando em taxar dividendos de super ricos do país. Assim, esses valores arrecadados financiariam o Auxílio Brasil.

Em outras palavras, Guedes disse que defende a cobrança de uma alíquota de 15% sobre ganhos acima de R$ 500 mil por mês. Esse seria o teto para os super ricos não terem os seus ganhos taxados. Dessa forma, caso o investidor tenha um excesso de rendimento, teria uma cobrança do valor.

“Você não tem que ter vergonha de ser rico, tem que ter vergonha de não pagar imposto. Está correto, é o imperativo moral nosso. Como você emprega várias pessoas que pagam imposto e você não paga sobre de dividendos?”, questionou o ministro.

POUPANÇA: veja quanto está rendendo com a nova alta da SELIC

Guedes também defende correção da tabela do IR

Além disso, o ministro voltou a lembrar que a reforma tributária poderia ser a solução para o Auxílio Brasil permanente de R$ 600. Essa reforma também seria positiva para a correção da tabela do Imposto de Renda. Contudo, o texto ainda está no Congresso Nacional, sem movimentação.

“É possível dar um auxílio de 600? Ou fazer reajuste da tabela de Imposto de Renda? A resposta já está na reforma tributária”, disse Guedes.

Por fim, o desejo de Guedes em manter o auxílio turbinado no próximo ano é o mesmo que o de Bolsonaro. Aliás, a maioria dos eleitores (61%) acredita que o aumento do valor da parcela teve motivação eleitoral. A saber, as eleições presidenciais estão cada vez mais próximas, e muita gente vê essa ação do governo como uma forma de ganhar votos para Bolsonaro.

Leia também: Juros mais altos encarecem o crédito no Brasil

1.5/5 - (2 votes)
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.