Após acidente, senadores pedem mais regulação do trabalho de motoristas

Acidente no interior de São Paulo matou 41 pessoas e deixou 10 feridos. Senadores pediram mais regulamentações para o trabalho desses motoristas

0

O acidente que matou 41 pessoas e deixou 10 feridos no interior de São Paulo ainda provoca discussão nos quatro cantos do país. No início desta semana, alguns senadores pediram um debate sobre mais regulamentações para motoristas de transporte no Brasil.

De acordo com as informações da Agência de Transporte do Estado de São Paulo, o ônibus que se envolveu no acidente da última quarta-feira (25) estava em situação irregular. O veículo era da empresa Star Turismo e Viagem.

Ainda de acordo com a Agência, só em 2020 aquele mesmo ônibus do acidente recebeu três multas por transporte irregular de pessoas. Além disso, há também o fato de que o ônibus em si estava em situação irregular desde outubro de 2019.

Dessa forma, fica a sensação de que a tragédia poderia não ter acontecido se a empresa tivesse tomado os cuidados necessários. É fato que o resultado da perícia ainda não saiu, mas senadores do país já se pronunciaram pedindo mais regulamentações para essa classe trabalhista.

Foi o caso do senador Marcos Rogério, do Democratas de Rondônia. Marcos é o presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado. Ele disse que o Brasil precisa aumentar a punição para esses trabalhadores. “O Brasil não pode ficar refém do transporte pirata”, disse ele.

Motoristas

Vale lembrar que o Brasil acabou de aprovar mudanças nas suas leis de trânsito. As novas leis relaxam um pouco as punições para motoristas de uma maneira geral. Mas é importante lembrar que estamos falando aqui de motoristas que transportam pessoas.

E neste caso, o Brasil realizou uma alteração na legislação no último mês de outubro de 2019. Desde esta época, a punição para motoristas de transporte irregulares aumentou. Em caso de vans escolares, a punição pode chegar a R$1500, remoção do veículo e sete pontos na carteira.

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.