Após 11 anos, Brasil está de volta ao Conselho de Segurança

O Itamaraty afirmou que a volta "reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais"

0

Demorou, mas o Brasil voltará a ocupar um assento não permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. De acordo com o governo, a participação do país acontecerá no biênio 2022-2023, 11 anos após  a última participação brasileira no encontro.

Bolsonaro diz que não cabe a ele decidir sobre uso de máscaras

Ao todo, o Brasil já participou dez vezes do colegiado, sendo a última vez no biênio 2010-2011. Confira os anos das participações: 1946-47, 1951-52, 1954-55, 1963-64, 1967-68, 1988-89, 1993-94, 1998-99, 2004-05 e 2010-11.

Para fazer parte do grupo, o Brasil recebeu 181 votos na eleição que ocorreu nesta sexta-feira (11) em Nova York, nos Estados Unidos, durante a 75ª Assembleia Geral da ONU.

O Conselho de Segurança é formado por 15 países com direito a voto. Todavia, apenas seis deles são membros permanentes e têm poder de veto, sendo eles: Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, China e Rússia.

Por outro lado, outros 10 assentos são temporários, ou seja, países são eleitos para ocupá-los de forma rotativa, em mandatos de dois anos.

De acordo com as informações, o governo brasileiro tenta, há muitos anos, um assento permanente no conselho. Isso porque o país integra o G4, que é um grupo formado também por Japão, Alemanha e Índia, que defende mudanças no Conselho de Segurança.

Em nota, o Itamaraty afirmou que a eleição desta sexta “reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais”.

Também em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil afirmou que pretende “fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento”.

Além de exaltar a participação do país, o governo brasileiro também cumprimentou Albânia, Emirados Árabes Unidos, Gabão e Gana, que também foram eleitos para ocupar assentos não permanentes no colegiado.

Leia também: Forças de Israel matam adolescente palestino em protesto na Cisjordânia

Veja Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.