Antonieta de Barros: a primeira brasileira negra a vencer uma eleição

Conheça a história da primeira mulher negra a se tornar uma parlamentar no Brasil

0
A primeira brasileira negra a ganhar uma eleição
Antonieta de Barros, a primeira brasileira negra a ganhar uma eleição

 

Embora não esteja ainda na convencional galeria histórica nacional, Antonieta de Barros é um dos maiores nomes femininos da história brasileira. Acha-se entre as três primeiras mulheres a vencerem um pleito eleitoral no Brasil, e o mais notório: a primeira brasileira negra a vencer uma eleição no país.

Uma mulher notável – Antonieta de Barros

Havendo sido a primeira mulher negra vitoriosa na política brasileira, Antonieta foi eleita deputada estadual pelo Estado de Santa Catarina no ano de 1934.

É importante lembrar que a vitória de Antonieta em eleições constituídas se deu menos de meio século depois da Abolição no Brasil, o que a torna, ainda mais que notória, uma heroína social – viva representante da classe feminina e do movimento negro original – aquele em que os representantes da rica etnia africana se destacaram por reais feitos de importância.

Além disso, outro ponto de destaque da brasileira foi que a sua vitória nas eleições aconteceu apenas dois anos depois do sufrágio nacional – a estreia do voto feminino.

E assim foi que Antonieta de Barros escreveu seu nome no livro da História do Brasil: destacando-se, fazendo-se respeitar e – num país de enorme carga de preconceito – conseguindo superar estigmas sociais como cor, classe e gênero. Antonieta se colocou acima de tudo isso. Sem dúvida, é uma heroína nacional.

Trajetória de vida e profissional

Nascida em Florianópolis, na época chamada Desterro, Antonieta surgiu com a luz do novo século, o fascinante e transformador século XX da Belle Époque –, do surgimento do automóvel, da criação do cinema, da invenção do telefone e do avião.  Pois foi esse tempo de progresso da humanidade que viu crescer a menina negra que se tornaria orgulho feminino nacional.

Filha de Catarina Waltrick – escrava liberta que sustentou a filha pequena exercendo o ofício de lavadeira –, mais tarde Antonieta teve uma pequena pensão para estudantes. Seus jovens hóspedes, então, ensinaram-lhe as letras. Uma vez alfabetizada, a empreendedora e idealista Antonieta começou a sua aventura de conhecimento através dos livros.

A jovem negra formou-se professora, então, e ainda aos 17 anos fundou um curso de alfabetização para adultos. Sua ideia era ajudar a erradicar o analfabetismo entre os adultos. Além do destaque por seu curso particular, Antonieta ganhou reconhecimento como educadora também em colégios da elite de Santa Catarina, nos quais lecionou a convite.

E Antonieta, além do Magistério, foi ganhando espaço na imprensa de seu tempo tornando-se notável cronista: contribuiu por mais de 20 anos com a imprensa, havendo escrito mais de 1000 artigos em oito veículos da melhor mídia da época.

Mais do que destaque intelectual, entretanto, Antonieta de Barros ganhou respeito social e o reconhecimento de todos: autoridades e povo. Era uma autêntica porta-voz das mulheres, que na época não tinham seu lugar de fala.

Com tanta fibra e conhecimento cultivado, a parlamentar pioneira chegou a escrever dois capítulos da Constituição do Estado de Santa Catarina. No ano de 1937, publicou a obra Farrapos de Ideias e doou o lucro de toda a primeira edição para a construção de uma escola.

Com tanta inclinação para a luta pelo bem-estar social, brilhou mesmo na carreira política e conseguiu ser reeleita em 1947. E na bancada parlamentar de seu estado – em que foi exemplo vivo para as mulheres – quase um século depois ainda não teve uma herdeira negra, alguém que conquistasse o seu feito: uma cadeira parlamentar para seu gênero, sua classe e sua etnia.

Antonieta de Barros instituiu o Dia do Professor

E um fato notório, dentre os tantos de sua vida, permitiu uma homenagem de repercussão nacional: foi um projeto parlamentar de Antonieta de Barros que instituiu o Dia do Professor, a Lei Nº 145, de 12 de outubro de 1948. E a data viria a se oficializar no Brasil todo, 15 anos depois, pelo então Presidente da República João Goulart, precisamente em 1963.

Sem dúvida, o conjunto da obra da vida de Antonieta de Barros é um legado valioso para a mulher brasileira.

Assista ao vídeo com um resumo da vida de Antonieta de Barros, a primeira brasileira negra a vencer uma eleição

Outras mulheres negras que fizeram história

Avalie o Artigo:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.