Alta da Selic é desaprovada por maioria das transportadoras

0

A decisão do Banco Central em mudar a taxa Selic de 2% para 2,75% não foi bem avaliada pela indústria de transportes que estão espalhadas por todo o Brasil. Segundo a 6ª Pesquisa do Impacto da Covid no Transporte, produzida pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), cerca de 56% de todas elas discordaram sobre o aumento e dizem que trouxe impacto negativo para a população. 

Apenas 27,6% de todas elas concordaram que o aumento da taxa Selic pode ser positivo para o controle da inflação no ano de 2021 juntamente com o preço do dólar. Um dos maiores receios das transportadoras está relacionado ao custo do crédito que, com o aumento dos juros, deve fazer com que os empréstimos e financiamentos sejam ainda mais caros no momento de devolver para o banco. 

Em um momento de difícil retomada no setor, com centenas de pessoas sendo demitidas, fazer empréstimos está se tornando quase uma lei para conseguir manter a empresa. De acordo com a pesquisa, 46% das transportadoras que pediram dinheiro extra ao banco tiveram o valor negado. O medo é que a situação, com o possível aumento para 5,5% (como é proposto ocorrer até dezembro deste ano), a situação fique ainda mais delicada. 

Taxa Selic dificultando o desenvolvimento da empresa?

Cerca de 55,6% deles afirmaram que pediram o empréstimo como uma tentativa de retomar o capital de giro enquanto 16% argumentaram que não tinham condições de pagar o salário dos funcionários que estava atrasado. 

“O comprometimento da capacidade de pagamento e as restrições de crédito em nome da empresa foram os principais motivos das negativas de acesso ao crédito às transportadoras solicitantes. O aumento da taxa Selic pode dificultar ainda mais esse acesso”, apontou a CNT.

Cerca de 60,8% argumenta que a situação da Selic pode dificultar ainda mais conseguir empréstimo para deixar as contas em dia enquanto pouco mais de 52,2% sabe que isso é positivo em questão nacional já que deve reduzir a inflação e a desvalorização do real, fazendo com que os preços diminuam juntamente com o dólar. 

Abaixo, há uma tabela relacionada com a porcentagem de demissões ocorridas no setor das transportadoras:

  • 57,3% demitiram  até 9 empregados;
  • 23,1%, entre 10 e 49 empregados;
  • 4,3%, de 50 a 99 empregados;
  • 6,4% de 100 ou mais empregados.

Leia mais: Sindicato entra com ação contra Bolsonaro por ataques a jornalistas

 

Leia Também:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.